m
Nathália
Adário
Brasil
vivendo em Marília . SP
22 anos . ilustradora . quadrinista

Sou ilustradora e quadrinista, estou começando nesse mundo agora, com projetos como Meidei e Kaleidoscope procuro começar a espalhar minhas ideias.

Apesar de ser voltada para ilustrações digitais, divido minha paixão na ilustração com a arte tradicional, principalmente em aquarela.

Nathália Adário por Projeto Curadoria
// Quais ferramentas você utiliza para se expressar?

Sou mais voltada para arte digital, utilizo softwares como Photoshop, Sai e minha inseparável mesa digitalizadora. Mas não abro mão do meu sketchbook e do estojo de aquarela.

Os quadrinhos são todos digitais, procurando temas leves e divertidos onde possa entreter toda a família.

// Qual sua maior motivação para criar? O que te inspira?

Tudo me inspira. Desde um fato triste até uma série boba maratonada em um dia na Netflix. O artista tem que estar sempre atento às coisas à sua volta, pois tudo pode virar um desenho. As cores, os sons, os fatos. Tudo é uma inspiração.

Para os quadrinhos não tem diferença. Uma frase solta de forma aleatória por alguém ao redor ou uma notícia absurda pode dar voz a uma personagem.

Nathália Adário por Projeto Curadoria
Nathália Adário por Projeto Curadoria
// Como é o seu processo criativo?

Sem grandes espetáculos, normalmente se resume a mim sentada na frente de um computador com a minha mesa digitalizadora, e é isso: sentar e fazer.

Às vezes uma ideia surge em momentos aleatórios e ficam sendo maturadas ao longo do dia, até poder chegar ao computador e ser libertada.

// O que você faz no seu dia a dia para se manter criativa?

Estar sempre conectada com diversas linguagens da arte ajuda a manter as ideias sempre frescas, filmes, séries, teatros, livros e outros ilustradores. As redes sociais são portas muito legais para outros artistas, sigo vários em todas as minhas redes, então mesmo quando estou só rolando o feed tem ilustrações, poemas, canções e estar ligada à isso, vai inspirando você a criar também.

// Quais os seus trabalhos ou projetos preferidos? Qual o motivo?

Gosto muito de “Quebra-Cabeça” que foi um livro infantil escrito por duas amigas para um trabalho de faculdade e que tive o prazer de ilustrar, ele foi feito todo em aquarela e foi o primeiro em que terminei e me sentir completa ao ver.

Outro que estou adorando fazer é o Kaleidoscope, pois além de ser algo que estava querendo por no papel há muito tempo, ele veio para ser lançado na CCXP 2018, então é como dois sonhos sendo realizados.

Nathália Adário por Projeto Curadoria
Nathália Adário por Projeto Curadoria
// Você teve algum marco importante na sua carreira ou um momento decisivo? Como isso influenciou sua trajetória?

Desenho desde muito nova, mas esse ano comecei a me inscrever para feiras e Artist Alley e não poderia estar mais feliz!

Meu primeiro evento esse ano foi no Anime Friends em São Paulo e foi uma experiência incrível, onde pude conhecer vários artistas que acompanhava pelas redes sociais e absorver dicas incríveis deles, ainda esse ano já recebi a confirmação para a Pixel Show e CCXP 2018 dois eventos que mal posso esperar.

Desejo poder estar em todos ano que vem de novo!

// Quais são suas influências, inspirações ou artistas preferidos? Como isso se reflete no seu trabalho?

O meu traço é muito voltado para o mangá, já que na minha infância passava horas assistindo desenhos japoneses. Hoje acho que ainda continuam sendo uma influência muito grande, como Hayao Miyazaki mas vejo nos cartoons atuais uma grande fonte de inspiração tanto para traço quanto para paletas de cor.

Nathália Adário por Projeto Curadoria
Nathália Adário por Projeto Curadoria
// Ainda existe algum preconceito em relação a mulher se expressar livremente? Você sente isso no seu trabalho?

Como já disse, estou meio ingressando nesse mundo agora, mas o que vejo de outras amigas artistas reclamando é falta de credibilidade, normalmente correlacionam as mulheres a desenhos fofos e delicados tendo estranheza quando veem uma mulher produzindo uma história de terror ou luta por exemplo.

// E o que te faz feliz?

Vai parecer meio clichê, mas o que me faz feliz é desenhar. É aliviante, relaxante. Se estou feliz eu quero desenhar, se tive um dia difícil ou estou triste, desenhar me faz esquecer de tudo e ficar feliz.

// Quais dicas você daria para outras mulheres potencializarem suas criações?

Não desistir. Mesmo que no meio do projeto pareça estar tudo errado ou não saindo como esperado, não pare! Leve adiante, divulgue, espalhe. Pois mesmo que esteja falho para você foi uma experiência que foi concluída, e na próxima o erro que você cometeu dessa vez não será repetido.

// Você tem algum novo projeto em andamento?

Meu projeto em andamento é Kaleidoscope, que vem com uma sátira ao estilo de guerreiras mágicas das histórias japonesas, com uma protagonista que não quer o poder e só quer terminar os estudos em paz, que não pode sair livremente para combater o mal e um vilão que não faz questão de atacar perto dela tendo que fazer a menina pegar ônibus e metrô para chegar até o local.

Kaleidoscope será lançado no fim do ano na CCXP, e vem com a ideia de discutir um pouco o papel da menina que gosta de rosa e usa a força do amor para vencer seus problemas que há tanto vem instaurados nos desenhos.

Nathália Adário por Projeto Curadoria
COMPARTILHE
b
//+entrevistas