m
Gabriela
Diples
Brasil
vivendo em Leme . SP
25 anos . ilustradora

Ainda estou me acostumando a me referir como Ilustradora, pois minha história na ilustração é um pouco diferente da maioria dos artistas que conheço. Tudo começou no ano de 2017, um divisor de águas na minha vida. Nessa época estava recém-formada como Biomédica, mas totalmente infeliz com a profissão e me tratando de uma depressão forte que me atingiu no último ano de graduação.

Foi nessa época que me bateu uma vontade súbita de pintar aquarela. E basicamente foi assim que tudo começou a mudar na minha vida. Desde o primeiro desenho que fiz, um cacto bem amador postado no Instagram, já recebia apoio dos meus amigos que me acompanhavam por lá, e foi assim que comecei a acreditar no meu trabalho como ilustradora e segui em frente desenhando e sempre tentando evoluir nas minhas técnicas.

No começo não sabia bem o que queria transmitir com minha arte, mas aos poucos meus sentimentos e estilo na ilustração foram aparecendo e evoluindo. Acredito que até hoje vivo numa constante evolução dentro da minha própria arte e estilo.

Digo que minha trajetória na ilustração é diferente pois apesar de sempre gostar de pintar quando criança, nunca tive o “talento” para desenhar. Porém sempre gostei de arte e de visitar Museus. Inclusive, a Pinacoteca é meu lugar preferido desde que morava em São Paulo na época da faculdade, há seis anos atrás.

Sempre via estudantes de Artes Visuais pelas ruas da cidade e me batia uma vontade de fazer o curso, mas eu achava que por não saber desenhar, não teria motivos para tentar. Hoje se pudesse voltar no tempo, teria trocado de graduação logo no primeiro semestre de faculdade!

Gabriela Diples por Projeto Curadoria
// Quais ferramentas você utiliza para se expressar?

Pincéis, folhas de desenho e pintura, pedaços de madeiras reaproveitados, tintas aquarela, acrílica e nanquim.

// Qual sua maior motivação para criar? O que te inspira?

Minhas maiores motivações são exatamente as minhas inspirações! Mulheres artistas que acompanho e vejo que é possível sim viver do que amamos fazer. É isso que me motiva e me inspira!

// Como é o seu processo criativo?

Depende muito de como estou me sentindo, em relação a produtividade. Acredito que querer ilustrar é o primeiro passo do meu processo criativo. Infelizmente nem sempre essa vontade surge, mas quando surge, procuro sempre buscar referências de artistas que admiro, sendo eles outros ilustradores ou fotógrafos.

Buscar referências artísticas é parte essencial do meu processo criativo. Depois parto para referências de técnicas. Tenho um sentimento interior muito forte de que preciso testar novas técnicas. Acho que minha curiosidade me ajuda bastante nesse aspecto.

Gabriela Diples por Projeto Curadoria
Gabriela Diples por Projeto Curadoria
// O que você faz no seu dia a dia para se manter criativa?

Gosto bastante de ler e atualmente estou cursando o curso Técnico em Comunicação Visual, que é um curso muito interessante pra quem gosta de arte e incentiva bastante a criatividade artística.

// Quais os seus trabalhos ou projetos preferidos? Qual o motivo?

Minha coleção de ilustrações “Insetos” no papel e na madeira. Gosto bastante dessa série pois foi com ela que saí da minha zona de conforto da aquarela e comecei a pintar com tinta acrílica em bolachas reaproveitadas de madeira.

// Você teve algum marco importante na sua carreira ou um momento decisivo? Como isso influenciou sua trajetória?

Recentemente fui convidada para expor meus trabalhos na Printa-Feira, um evento de arte independente que aconteceu na programação da FestA no Sesc. Quando recebi o convite me senti muito feliz e reconhecida pelo meu trabalho, e vi que é possível viver financeiramente do que amo fazer: ilustrar.

E isso foi essencial para mim, pois exatamente por este motivo abandonei minha profissão de formação para seguir numa área um pouco incerta, mas que me deixava completamente feliz e realizada. É tão bom quando nos encontramos na profissão que amamos realizar, que as vezes nem parece que estamos trabalhando.

Parece meio clichê, mas é mesmo um dos melhores sentimentos. Se encontrar profissionalmente é também se encontrar emocionalmente.

Gabriela Diples por Projeto Curadoria
// Quais são suas influências, inspirações ou artistas preferidos? Como isso se reflete no seu trabalho?

Minhas influências e inspirações passadas foram Van Gogh e Frida Kahlo. Admiro muito essas duas personalidades artísticas extremamente fortes e sentimentais que conseguiam com maestria exprimir todo sentimento ruim e transformar em belas obras de arte.

E não posso deixar de citar as artistas e ilustradoras contemporâneas que tenho contato e que acompanho nas redes sociais: Brunna Mancuso, Juliana Vomero e Anália Moraes me inspiraram a começar a pintar, depois conheci a Priscilla Barbosa que me ajudou numa fase ruim e me fez persistir na ilustração, e por fim conheci recentemente um grupo incrível de ilustradoras e nos tornamos grandes amigas e criamos um coletivo feminino de ilustradoras, o Feminas Collective: Camila Las Viegas, Érika Lourenço, Lola Nankim, Bia Daga, Bárbara Tamilin, Natalia Agatte, Luisa Manske, Janaína Mendes e Erica Linhares.

A conexão e amizade que tenho com essas artistas reflete bastante no meu trabalho. Além do apoio mútuo que nos damos, saber que não estamos sozinhas numa profissão como a nossa, é reconfortante.

Gabriela Diples por Projeto Curadoria
// Ainda existe algum preconceito em relação a mulher se expressar livremente? Você sente isso no seu trabalho?

Infelizmente ainda sofremos preconceito em qualquer coisa que formos fazer. Não podemos fazer absolutamente nada sem sermos julgadas, e isso me aborrece muito.

É por isso que precisamos mais do que nunca do Feminismo, ele é o movimento que nos une e que nos fortalece. Precisamos estarmos todas unidas, pois somente assim vamos conseguir lutar contra todo tipo de preconceito e machismo contra nós.

// E o que te faz feliz?

Ler um livro, pintar minhas ilustrações, comprar um material de arte que esteja namorando (a melhor das sensações), estar com a minha família, namorado e com minhas filhas Berenice (dog) e Hamham (hamster).

Gabriela Diples por Projeto Curadoria
Gabriela Diples por Projeto Curadoria
// Quais dicas você daria para outras mulheres potencializarem suas criações?

Primeiro diria pra conversarem com outras ilustradoras que já estejam atuando. Mas o segredo mesmo para seguir ilustrando é sempre se manter criativa, estudar bastante e praticar muito. Acho que não nascemos sabendo desenhar ou pintar, isso nós aprendemos com muito treino e estudo.

Gabriela Diples por Projeto Curadoria
Gabriela Diples por Projeto Curadoria
// Você tem algum novo projeto em andamento?

Tenho muitos novos projetos, alguns em andamento e outros ainda na cabeça sendo pensados e planejados.

Os que estão em andamento são: Série de ilustrações intitulada “Cantos”. Através dela quero explorar ainda mais meus conhecimentos nas técnicas que já trabalho.

Me inspirei em algumas fotos de cantos de casas que encontrei pela internet quando estava pesquisando Design de móveis (uma coisa que adoro!)

O Coletivo de ilustradoras Feminas Collective. Tudo começou quando criamos um grupo no instagram para nos ajudarmos no engajamento umas das outras, e surgiu a ideia de criarmos um coletivo para nos unirmos ainda mais. Assim nasceu o nosso coletivo, que ainda está em fase de crescimento. Pretendemos criar em breve um Instagram para compartilharmos nossos trabalhos, além de participarmos de feiras como coletivo.

Por fim, acabei de comprar uma mesa Wacom depois que participei de uma oficina de ilustração digital e simplesmente me apaixonei! Quero praticar bastante essa nova técnica de ilustração, e logo logo vocês verão novos trabalhos meus nesse estilo! Estou super animada!

Os projetos que estão ainda na vontade e sendo planejados: praticar xilogravura (também fiz oficinas e me apaixonei) e aprender a tatuar!

COMPARTILHE
b
//+entrevistas