m
Vanessa
Israel
Brasil
vivendo em São Paulo . SP
27 anos . bordadeira

Meu nome é Vanessa Israel, sou designer de moda por formação e bordadeira por sorte do destino. Tímida que até dói, amante dos avessos revoltos e sem muita habilidade com as palavras.

Vanessa Israel por Projeto Curadoria
// Quais ferramentas você utiliza para se expressar?

Linha, agulha, aquarela, tecido e um pouco de ansiedade.

Vanessa Israel por Projeto Curadoria
Vanessa Israel por Projeto Curadoria
// Qual sua maior motivação para criar? O que te inspira?

Não sei se inspiração é uma palavra que define meu processo criativo, pois normalmente crio em duas situações. A primeira é sob demanda, e como já dizia o poeta Manoel de Barros: inspiração só conheço de nome. Me comprometo com as sóciamigas a entregar o que o cliente quer e aí trabalhamos em cima de algo pré-estabelecido.

Já a segunda situação tem a ver com minhas urgências pessoais, a prática do bordado tem um característica curativa muito forte, várias pessoas que se aproximam da técnica o fazem consciente ou inconscientemente por desejo de recuperação. Comigo não foi diferente e até hoje minha maior motivação para produzir é externalizar questões e me enxergar com mais clareza.

Vanessa Israel por Projeto Curadoria
Vanessa Israel por Projeto Curadoria
// Como é o seu processo criativo?

Gosto de trabalhos mais espontâneos, sem muito planejamento ou definições prévias. Pra desenhar uso uma caneta que sai com água, mas às vezes apenas a umidade do ar é suficiente para apagar parte do que tracei e acho isso ótimo, pois me abre caminhos, sou obrigada a improvisar. Um baita exercício para uma pessoa tão controladora. E o mesmo vale para os materiais e cores, vou usando o que faz sentido no momento, já bordei até com cabelo.

// O que você faz no seu dia a dia para se manter criativa?

Pode parecer contraditório e talvez tenha a ver com o fato de ser uma pessoa bastante introvertida, mas ter uma rotina regrada me ajuda muito. Preciso estar em plena conexão comigo mesma para poder criar. Disciplina, organização e solitude são aspectos importantes para me manter criativa.

Vanessa Israel por Projeto Curadoria
Vanessa Israel por Projeto Curadoria
// Quais os seus trabalhos ou projetos preferidos? Qual o motivo?

Meu último trabalho favorito definitivamente foi a parceria com a marca Gioconda Clothing. Neste projeto ilustramos diferentes aspectos do feminino em lingeries de algodão num processo bastante coletivo e que gerou muitas discussões sobre nossos corpos, feminismo e representações femininas na mídia, já que decidimos que as peças seriam fotografadas e nós mesmas seríamos as modelos. Foi um momento de comunhão e acolhimento com essas mulheres tão importantes na minha vida, inesquecível.

Vanessa Israel por Projeto Curadoria
// Você teve algum marco importante na sua carreira ou um momento decisivo? Como isso influenciou sua trajetória?

Definitivamente foi quando conheci minhas sócias num encontro super despretensioso que eu mal sabia, mas mudaria completamente o rumo da minha vida. Hoje o nosso fazer coletivo enquanto Clube do Bordado me dá segurança, acolhimento e o prazer de trabalhar com cinco mulheres talentosíssimas.

Vanessa Israel por Projeto Curadoria
Vanessa Israel por Projeto Curadoria
// Quais são suas influências, inspirações ou artistas preferidos? Como isso se reflete no seu trabalho?

Tendo a me identificar com as pessoas que veem beleza nos erros, nos acidentes, nas coisas tortas. No momento a obra de Milan Kundera tem ressoado bastante em meus pensamentos, olha isso que bonito: “Só é grave aquilo que é necessário, só tem valor aquilo que pesa.” é um trecho de “A insustentável leveza do ser”, gosto muito desse livro.

Também tenho estudado algumas técnicas japonesas como o kintsugi que consiste em consertar com ouro ou prata uma porcelana que foi quebrada e isso faz com que ela seja mais valiosa do que quando estava intacta. Traz a ideia da valorização das falhas, da impermanência.

Vanessa Israel por Projeto Curadoria
Vanessa Israel por Projeto Curadoria
// Ainda existe algum preconceito em relação a mulher se expressar livremente? Você sente isso no seu trabalho?

Uma das primeiras séries que fiz foi com ilustrações de mulheres nuas e elementos de pornô suave. Estes bordados ganharam bastante visibilidade e foi das pessoas mais próximas que o preconceito apareceu: família e (ex) namorado (risos). Hoje isso já melhorou muito, mas a caminhada ainda é longa.

Vanessa Israel por Projeto Curadoria
Vanessa Israel por Projeto Curadoria
// E o que te faz feliz?

Tomar um cafezinho passado na hora olhando pra janela na companhia da minha gatinha Leonora.

// Quais dicas você daria para outras mulheres potencializarem suas criações?

Só façam. A gente fica com medo do julgamento, às vezes querendo fazer algo muito extraordinário pra começar a mostrar para as pessoas, besteira. Se estiver com medo, vai com medo mesmo. (que fique de nota mental pra mim também)

// Você tem algum novo projeto em andamento?

Assistam ao canal do Clube do Bordado no youtube! Aprendi a editar pra fazer os vídeos e nos esforçamos muito pra entregar um conteúdo de qualidade. Lá a gente ensina tudo o que sabe, mas tudo mesmo. <3

Vanessa Israel por Projeto Curadoria
COMPARTILHE
b
//+entrevistas