m
Ty
Silva
Brasil
vivendo em São Paulo . SP
26 anos . ilustradora . tatuadora

Meu nome é Thaís Silva, sou conhecida como Ty (pronuncia-se Tai). Sou de Belém do Pará e vim para São Paulo há 5 anos estudar desenho e fazer mestrado. Sempre gostei de desenhar e criar histórias quando criança, porém como Belém não oferece muitas oportunidades de aprendizado no meio das artes, resolvi vir para São Paulo estudar assuntos que me interessavam. A minha formação foi em Moda pela UNAMA (PA) e tenho mestrado em Semiótica pela PUC-SP. Estudar isso me auxiliou a pensar sobre a construção das minhas personagens e dos universos que eu crio. Todas as minhas pesquisas acadêmicas têm relação com figurino e com construção identitária e a dissertação fala principalmente sobre hipersexualização feminina no meio dos quadrinhos. Em razão disso, minhas ilustrações refletem as minhas pesquisas acadêmicas de modo a tentar construir personagens que sejam bem representadas e empoderadas.

Em São Paulo tive chance de fazer 3 anos de Sala Ilustrada, nos quais aprendi coisas incríveis com a Catarina Gushiken que levarei pelo resto da minha vida. Como sempre gostei de estudar, continuei a fazer os cursos que eram possíveis em São Paulo para aprimorar e expandir os meios em que eu poderia me expressar.

Atualmente sou ilustradora, porém desenvolvo projetos com fotografia, vídeo, tatuo, dou aula e espero continuar expandindo os caminhos sempre que possível.

Ty Silva por Projeto Curadoria
// Quais ferramentas você utiliza para se expressar?

Desenho e pintura sempre foram minhas ferramentas favoritas para me expressar. A aquarela é a técnica que eu mais gosto, porém como adoro testar materiais novos, as técnicas mistas acabaram sendo o melhor modo que eu encontrei de me expressar. Acho muito legal a possibilidade de ressignificar os materiais ao misturá-los.

// Qual sua maior motivação para criar? O que te inspira?

Músicas sempre foram minhas maiores inspirações. Adoro poder escutar músicas e imediatamente uma história se forma na minha mente e tento colocar ela no papel. Além disso, sempre adorei histórias de fantasia, sejam elas em filmes, livros, quadrinhos, séries, etc e são mídias que sempre estou consumindo e sempre me inspiram.

Ty Silva por Projeto Curadoria
Ty Silva por Projeto Curadoria
// Como é o seu processo criativo?

Meu processo ideal se inicia geralmente quando escuto alguma música, ou vejo algum filme, série, etc que a narrativa me cative. Por vezes, situações revoltantes ou tristes que eu presencio ou que acontecem comigo também servem de impulso para eu desenvolver coisas.

Depois de ter a base de inspiração, geralmente seleciono alguma referência fotográfica. Os materiais que costumo usar, quando estou com preguiça seriam os marcadores, mas quase sempre a aquarela está envolvida de algum modo. Quando estou com mais paciência, misturo lápis de cor, aquarela, marcadores, nanquim, ecoline, acrílica, guache e o que mais tiver pela minha frente.

// O que você faz no seu dia a dia para se manter criativa?

Escuto música praticamente o tempo inteiro ou vejo muitas séries e filmes. Conversar com algumas pessoas também me ajuda a manter a criatividade fluindo.

Ty Silva por Projeto Curadoria
Ty Silva por Projeto Curadoria
// Quais os seus trabalhos ou projetos preferidos? Qual o motivo?

A exposição “EUS” foi um dos meus projetos favoritos até agora. Primeiro porque foi minha primeira exposição individual e todo o estresse e gratificação que veio dela são coisas que eu nunca vou esquecer. Segundo porque foram fruto de 3 anos de estudo na Sala Ilustrada, nos quais eu pude desenvolver um lado meu que eu não sabia que me definiria profissionalmente. Apesar de sempre gostar de desenhar, não pensei que poderia ou gostaria realmente de viver disso, porém a sensação de ter artes que levaram um pouquinho de mim, além de me deixarem meio insegura pela exposição em que me coloquei, também me proporcionaram uma satisfação muito grande de ver histórias que a minha mente criava no papel e emolduradas em uma parede. Nesta exposição me inspirei em todas as mulheres fortes que eu conheci e que me inspiraram e as relacionei com músicas e celebridades ou personagens da cultura pop.

Ty Silva por Projeto Curadoria
// Você teve algum marco importante na sua carreira ou um momento decisivo? Como isso influenciou sua trajetória?

Começar a tatuar foi um marco importante porque sou insegura em relação as minhas criações e, através da tatuagem, pude ver como pessoas que eu nem sabia que apreciavam minha arte tinham interesse em ter ela tatuada. Ser aceita na Comic Com Experience foi um outro marco que também me auxiliou a ter mais confiança nas coisas que eu crio e ter vontade de criar mais e expor mais coisas.

Ty Silva por Projeto Curadoria
Ty Silva por Projeto Curadoria
// Quais são suas influências, inspirações ou artistas preferidos? Como isso se reflete no seu trabalho?

Tenho tantas inspirações que não seria possível listar todas aqui, mas minhas influências passam por diretores como o Tim Burton; fotógrafos como Tim Walker; artistas como Egon Schiele, Alfons Mucha, Nathan Fawkes; quadrinhistas como Phil Noto, Adam Hughes; ilustradores como Elfandiary, Agnes-Cecile, Conrad Roset, Lora Zombie e Bruce Timm. Todos esses artistas para mim tem uma visão do fantástico que é delicada ou assustadora de um modo estranho, ou os dois. Essas influências mostram-se no meu trabalho no momento em que crio personagens e/ou universos que sejam mágicos, bonitos e levemente sinistros.

// Ainda existe algum preconceito em relação a mulher se expressar livremente? Você sente isso no seu trabalho?

Com certeza. Não sinto tanto no meu trabalho pois tento me cercar sempre que possível de artistas que tenham uma visão mais desconstruída das coisas, mas sei que dependendo de onde você está inserido, as coisas podem ser bem difíceis.

Ty Silva por Projeto Curadoria
Ty Silva por Projeto Curadoria
// E o que te faz feliz?

Poder criar coisas inspiradoras e diferentes com pessoas legais. Adoro poder criar em dupla ou em grupos, acho que desenvolver coisas com vivências e pontos de vista diferentes enriquece os trabalhos. Além disso poder fazer as coisas que eu gosto como: comer, dormir, viajar, ver Netflix, esportes, poder criar coisas sem compromisso, são coisas que são necessárias na minha vida. Adoro fazer elas acompanhadas, mas valorizo muito meu tempo sozinha, algumas coisas só são apreciadas em sua plenitude sozinha.

Ty Silva por Projeto Curadoria
Ty Silva por Projeto Curadoria
// Quais dicas você daria para outras mulheres potencializarem suas criações?

Alimentem suas paixões, sejam elas quais forem. O que te fizer se sentir vivo, feliz e bem, em geral, são ótimas inspirações. Empoderem-se e cerquem-se de pessoas que incentivem vocês.

// Você tem algum novo projeto em andamento?

Atualmente estou com um projeto de design de superfície com o Coletivo Poraquê e com uma graphic novel que deverá ser lançada na Comic Com Experience deste ano com um amigo meu, o Yorhán Araújo.

COMPARTILHE
b
//+entrevistas