m
Raíssa
Bulhões
Brasil
vivendo em Natal . RN
24 anos . ilustradora

Sou Raíssa, tenho 24 anos e trabalho como ilustradora desde 2011. Desde criança gosto de fazer arte. Minha vida sempre foi rodeada de invenções e novas experiências artísticas. Amo o que faço!

Raíssa Bulhões por Projeto Curadoria
// Quais ferramentas você utiliza para se expressar?

Atualmente eu trabalho tanto com desenho tradicional, quanto digital.

Adoro mexer com aquarela, guache, lápis de cor, nanquim, marcadores… Mas também adoro criar desenhos no Photoshop e Illustrator. É meio que por estação, humor e afinidade (risos); tem épocas que estou mais para tradicional e épocas que estou mais para digital.

// Qual sua maior motivação para criar? O que te inspira?

Minha maior motivação é o amor que tenho pela profissão. Mesmo sendo uma profissão desafiadora, eu não me imagino sem fazer isso. E em cada novo projeto, ver o retorno das pessoas/público e ver o quanto cresci durante o processo, me deixa superfeliz e motivada a continuar.

Raíssa Bulhões por Projeto Curadoria
Raíssa Bulhões por Projeto Curadoria
// Como é o seu processo criativo?

Me considero uma pessoa extremamente desorganizada e indisciplinada, então comigo as coisas não têm muita regra (funciono super bem com briefings.)

Mas normalmente faço esboços em um caderno, estudo as possibilidades, cenários, personagens… Peço opinião de algumas pessoas e em seguida passo pro definitivo, tradicional ou digital.

// O que você faz no seu dia a dia para se manter criativa?

Às vezes a gente tá meio travada e precisa de um tempo pra arejar a mente. Tem dias que são mais criativos que outros. Estou tentando aprender a respeitar meu tempo, mas sem deixar de ligar minha “anteninha” para absorver o que me cerca.

Gosto muito de ler assuntos diversos e ficar horas perdida na internet.
Mas acredito que as situações cotidianas são minhas maiores inspirações.

Raíssa Bulhões por Projeto Curadoria
Raíssa Bulhões por Projeto Curadoria
// Quais os seus trabalhos ou projetos preferidos? Qual o motivo?

Os trabalhos que mais gostei de fazer até agora são os livros que ilustrei. Acho que por ficar mais livre pra criar, o resultado sai mais a nossa cara, mas sem deixar de atender o cliente.

Também estou com um projeto pessoal que tem tudo para se tornar meu preferido, mas vamos aguardar as cenas dos próximos capítulos!

// Você teve algum marco importante na sua carreira ou um momento decisivo? Como isso influenciou sua trajetória?

Sim, inclusive estou vivendo um.

Desde 2011 que eu estou trabalhando com ilustração e isso inclui desenhos personalizados de casais, família, etc. Já perdi as contas de quantas ilustrações desse tipo eu fiz, mas com o tempo fui perdendo o prazer em fazê-las. Foi se tornando algo mecânico e não estava mais me fazendo crescer.

Acredito que existe um tempo para tudo e devemos respeitar quando sentimos que o nosso tempo em determinadas coisas chega ao fim.
Então decidi parar. Fechei a loja virtual e decidi me dedicar mais aos estudos, projetos pessoais e trabalhos que no momento vão contribuir mais para o meu portfólio. Mudanças são sempre difíceis e 2017 tem sido cheio delas para mim.

Raíssa Bulhões por Projeto Curadoria
Raíssa Bulhões por Projeto Curadoria
// Quais são suas influências, inspirações ou artistas preferidos? Como isso se reflete no seu trabalho?

Nossa, são tantos! Tenho uma lista infinita de artistas que admiro a forma de trabalhar. Mas acho que uma das que mais me inspiram é a Ira Langeweyde, conhecida como Iraville. Acho as aquarelas dela incríveis e desejo um dia ter pelo menos 10% da habilidade que ela tem!
E cada vez que eu vejo as fotos e vídeos dela, me dá mais vontade ainda de estudar e me aperfeiçoar no que faço. Acho que essa é a forma mais saudável de inspiração.

// Ainda existe algum preconceito em relação a mulher se expressar livremente? Você sente isso no seu trabalho?

Sim, existe, mas acredito que isso pode ser bem relativo. Com certeza há mulheres que sentem muito mais isso do que eu, apesar de eu já ter sentido bastante. Vivemos numa sociedade machista, e mesmo que eu não sofra tanto quanto outras mulheres, uma hora ou outra a gente acaba sentindo uma cobrança e um certo preconceito apenas por sermos mulheres.

Mas posso lutar focando no que quero e mostrando que sou tão capaz quanto qualquer outro ser humano e que ser mulher não me torna mais frágil, pior e nem melhor que ninguém. Somos todos iguais.

Raíssa Bulhões por Projeto Curadoria
Raíssa Bulhões por Projeto Curadoria
// E o que te faz feliz?

Tantas coisas! Ultimamente tenho aprendido a me contentar com coisas simples, a valorizar o que realmente importa e ser grata, acima de tudo. Pois a felicidade é consequência de um coração grato.

Mesmo sendo um desafio diário, quero aprender cada vez mais a contemplar a paisagem do caminho que estou trilhando e me sentir grata e feliz nas mais diversas situações.

// Quais dicas você daria para outras mulheres potencializarem suas criações?

Acredite no seu trabalho e na sua individualidade. Você é única! Seus princípios, sua essência… Todas essas coisas formam quem você é.
Aprecie os processos mais do que os resultados. Os resultados são apenas consequência de um caminho bem aproveitado.

Apoie outras mulheres. Encare-as como companheiras e não como concorrentes ou rivais.

Raíssa Bulhões por Projeto Curadoria
Raíssa Bulhões por Projeto Curadoria
// Você tem algum novo projeto em andamento?

Tenho, mas ele já entrou e saiu da “gaveta” várias vezes durante o ano. Inclusive, é voltado para o público feminino. Estou fazendo aos poucos e quero que seja algo bem legal e especial. Espero conseguir concluir em breve.

COMPARTILHE
b
//+entrevistas