m
Paula
Schlindwein
Brasil
vivendo em Florianópolis . SC
40 anos . artista

Nasci e cresci no interior de Santa Catarina, na cidade de Urussanga, mas moro em Florianópolis há mais de vinte anos. Venho atuando na área de Artes visuais desde 2008, mas de forma profissional desde 2010.

Cresci em meio aos desenhos, linhas e emoções. Fui uma criança sensível e observadora. A paixão pela figura humana, particularmente por retratos femininos, existe desde o início do meu trabalho, que unido à necessidade psíquico-física de expressar os meus sentimentos e reflexões a respeito do mundo particular e coletivo, fazem com que cada uma das minhas obras tenha uma elaboração especial.

A auto-representação do meu corpo e das minhas memórias, foi um meio que encontrei para abordar a dor de traumas e experiências do cotidiano, situações e pensamentos que todos nós temos, e observar a relação do entorno físico e emocional, expressando-me através da arte, na tentativa de ressignificar e construir minha identidade e a relação com o outro.

Paula Schlindwein por Projeto Curadoria
// Quais ferramentas você utiliza para se expressar?

Além de materiais tradicionais na arte: aquarela, guache, nanquim, tinta acrílica e óleo.

Utilizo objetos de domínio quase exclusivo das mulheres, como linhas e agulhas. Linhas que costuram novos significados, pois o bordado está presente em praticamente todo o meu trabalho.

Também busco outras formas de expressão através da experimentação, como a fotografia e o vídeo. Sigo meu próprio estilo. Confesso que levei alguns bons anos para me encontrar.

Paula Schlindwein por Projeto Curadoria
// Qual sua maior motivação para criar? O que te inspira?

Procuro com meu trabalho, inspirar outras mulheres a se encontrarem nas suas contradições, sutilezas e belezas da alma feminina... O corpo não é algo a que me atenho tanto (tipos físicos, etc.), meu trabalho é mais focado nas experiências vividas: traumas, violências, dores, alegrias, amores, superações...

Ser mulher com certeza me inspira. Minhas ilustrações, bordados, fotografias e vídeos são produtos diretos do lugar que habito, “o meu corpo”. E meu lugar no mundo enquanto mulher...

Algumas vezes a inspiração surge a partir de uma imagem, um filme, poesia, música, sonhos...

Além disso, memórias afetivas e a busca constante por autoconhecimento, também permeiam meus trabalhos, pois “criar faz parte de quem eu sou. É a materialização dos sentimentos que carrego”.

Paula Schlindwein por Projeto Curadoria
Paula Schlindwein por Projeto Curadoria
// Como é o seu processo criativo?

As ideias surgem na minha cabeça o tempo todo, então faço muitas anotações, testo materiais, mas no geral depende muito do que eu estou vivenciando. Cada obra tem um processo diferente, fruto de estudos que vou amadurecendo com o tempo.

Apesar de ser metódica e sempre esquematizar tudo antes da execução, vez ou outra, tenho algumas ideias e começo a trabalhar imediatamente.

Quando estou envolvida em projetos com clientes, procuro fazer com que eles acompanhem todo o processo. Acho que isso é muito importante, pois quero que as pessoas entendam e façam parte do trabalho.

// O que você faz no seu dia a dia para se manter criativa?

Sou curiosa... Leio muito, pesquiso imagens e procuro explorar novas fontes.

“Criatividade é aprender a fazer conexões e não ter medo de experimentar”.

Paula Schlindwein por Projeto Curadoria
Paula Schlindwein por Projeto Curadoria
// Quais os seus trabalhos ou projetos preferidos? Qual o motivo?

Os meus trabalhos preferidos são: “Metamorfose”- Aquarela, guache e bordado sobre papel - 100 x 70 cm – 2016 e "Mulher Lua” - Aquarela, acrílica e bordado sobre tecido - 150 x 200 cm – 2017. Cada um fez parte de uma fase diferente da minha vida e tem um significado muito especial, foram épocas de grandes mudanças.

Paula Schlindwein por Projeto Curadoria
// Você teve algum marco importante na sua carreira ou um momento decisivo? Como isso influenciou sua trajetória?

Vários!! Mas dois foram muito marcantes: quando larguei um emprego fixo e a estabilidade. Havia acabado de terminar minha graduação em Biblioteconomia na UFSC e me vi sem perspectiva, pois não era o que queria para a minha vida. Foi realmente difícil. Somos incentivados a optar sempre pela estabilidade, mesmo que isso signifique abdicar dos nossos sonhos.

Mas hoje sou muito grata por ter conseguido seguir em frente, graças ao meu companheiro e maior incentivador, hoje me sinto realizada.

O segundo divisor de águas, foi após uma guinada na minha vida e a partir dela, uma ruptura interna que causou por consequência uma mudança total no meu trabalho. Decidi “me expor” e tomar a iniciativa de mostrar a minha dor.

Às vezes é preciso passar por grandes batalhas e sair delas ferida, destruída, para então renascer. Acho que não aprendemos nada sem grandes lições.

Isso me tornou uma pessoa mais forte. Aprecio cada vez mais, sentimentos como a compaixão e a empatia, o que sinto ainda com maior intensidade, e que não é de forma alguma um sinal de fraqueza.

“Você pode pensar que sou forte como uma rocha, mas saiba que tenho muitas cicatrizes por dentro."

Paula Schlindwein por Projeto Curadoria
Paula Schlindwein por Projeto Curadoria
// Quais são suas influências, inspirações ou artistas preferidos? Como isso se reflete no seu trabalho?

“Sou uma pessoa bastante sensível e com um olhar treinado para encontrar a beleza em todas as coisas, por isso tudo pode ser uma fonte de inspiração”.

São várias as inspirações: sentimentos, sensações, sonhos, cinema, fotografia, dança, música, literatura... Também tenho muitas influências, como: Louise Bourgeois, Remedios Varo, Leonora Carrington, Frida Kahlo, Ana Mendieta, Francesca Woodman, Jan Saudek, Irina Ionesco, Pina Bausch, Nina Simone, Marina Abramovic, Egon Schiele, Klimt, Ana Teresa Barboza, Rosana Paulino, José Leonilson, Arthur Bispo do Rosário... e muitos outros.

// Ainda existe algum preconceito em relação a mulher se expressar livremente? Você sente isso no seu trabalho?

Sim. Infelizmente ainda precisamos lidar com isso em todos os meios. Mas hoje sei me impor.

O mundo da arte ainda é extremamente sexista. Não podemos mais apenas internalizar esse olhar masculino, então esses temas precisam ser discutidos. O apoio entre as mulheres de qualquer profissão é essencial nesse sentido. Vamos compartilhar experiências, estimular a autoconfiança e entender que não estamos sozinhas, pois “juntas somos mais fortes”.

Paula Schlindwein por Projeto Curadoria
Paula Schlindwein por Projeto Curadoria
// E o que te faz feliz?

Muitas coisas! Em primeiro lugar, me sentir livre.

Meu trabalho me faz muito feliz. Me sinto valorizada e esse retorno é muito importante.

Em geral o que me deixa feliz envolve algum sentimento de pertencimento, de conexão e de amor. Ver o céu cheio de estrelas, a chuva batendo na janela, pássaros cantando, um dia de sol, caminhar de mãos dadas, bolo quentinho... Sou bem clichê!! Mas acho que é isso, a simplicidade de ser grata pelo presente da vida.

// Quais dicas você daria para outras mulheres potencializarem suas criações?

Acreditem na arte de vocês com todo o coração!

Procurem, com seus trabalhos, inspirar outras mulheres a se encontrarem.

“Tenham um propósito, coragem, e façam algo realmente significativo não só para vocês, mas para todos”.

Paula Schlindwein por Projeto Curadoria
Paula Schlindwein por Projeto Curadoria
// Você tem algum novo projeto em andamento?

Recentemente estou em fase de elaboração de um projeto focando em uma nova exposição. Também estou trabalhando com produtos da minha linha visual.

Além disso, estou tentando me aventurar mais, experimentando novos materiais e técnicas como o tingimento natural e ecoprint. Também quero experimentar outras formas têxteis. Não sei ao certo onde vou parar, mas estou feliz e isso é o mais importante.

COMPARTILHE
b
//+entrevistas