m
Nina
Pandolfo
Brasil
vivendo em São Paulo . SP
40 anos . artista . graffiteira

Desde pequena sempre fui apaixonada por cores e desenhos. Na adolescência pintava tudo o que eu imaginava poder receber tinta; camiseta, folhas de árvores, madeira, tronquinhos de árvore, pedras, vidros.... Sempre buscando um novo suporte para poder aplicar minhas pinturas.

Comecei a fazer curso de teatro voltado ao teatro de rua, o que fez com que eu olhasse a rua também como um suporte para meu trabalho. Foi aí que me interessei pelo graffiti, que até então eu não sabia o nome. Então, sempre paralelamente eu pintava nas ruas e nas telas.

Até hoje eu sempre dou uma pesquisada sobre novos suportes para eu fazer meu trabalho.

Nina Pandolfo por Projeto Curadoria
// Quais ferramentas você utiliza para se expressar?

Pincéis, tintas acrílicas, spray.... utilizo a pintura e um pouco de escultura.

// Qual sua maior motivação para criar? O que te inspira?

A vida me inspira. Coisas que muitas vezes passam desapercebidas, como o voo de uma borboleta, ou as cores de uma flor, as formas que as nuvens fazem num céu azul. A feminilidade também é uma grande inspiração pra mim.

Nina Pandolfo por Projeto Curadoria
// Como é o seu processo criativo?

Poder estar aberta as criações faz com que, em algumas vezes, crio uma tela durante uma conversa ou reunião. Mas basicamente gosto de me sentar, sozinha, com uma música baixinha e ficar desenhando.

// O que você faz no seu dia a dia para se manter criativa?

Meu ambiente onde meus animais estão por perto, onde poder rir é mais que permitido, e poder brincar e conversar com minha equipe.

Nina Pandolfo por Projeto Curadoria
Nina Pandolfo por Projeto Curadoria
// Quais os seus trabalhos ou projetos preferidos? Qual o motivo?

Os preferidos sempre são os últimos, por serem os mais recentes. Mas se formos falar de experiências que vivi durante um projeto, puxa, aí tenho vários. Como quando fui para Suécia fazer uma exposição num museu junto com a Lady Pink (uma das mulheres pioneiras no graffiti nos EUA nos anos 80) e onde quase não tinha a luz do sol durante o dia, o que causou uma sensação muito estranha.

Ou quando estive em Cuba para a Bienal de Havana e enquanto pintava algumas crianças com suas mães me olhavam admiradas por utilizar spray, olhavam quase como olhariam para a cartola de um mágico.

Nina Pandolfo por Projeto Curadoria
// Você teve algum marco importante na sua carreira ou um momento decisivo? Como isso influenciou sua trajetória?

Acho que quando fiz meu primeiro livro foi um momento bem importante, pois quando fui resgatar desenhos de quando eu era bem criança (mais ou menos 5 anos de idade) percebi que minha paixão por detalhes, por querer transformar um suporte diferente em arte e por desenhar tudo bem alegre veio comigo desde aquela época. Isto me trouxe ainda mais conhecimento sobre mim mesma. Algo que eu achava que era novo, na verdade havia nascido comigo.

Nina Pandolfo por Projeto Curadoria
Nina Pandolfo por Projeto Curadoria
// Quais são suas influências, inspirações ou artistas preferidos? Como isso se reflete no seu trabalho?

Bem, admiro muitos artistas mas tento não me influenciar por suas obras para que meu trabalho tenha mais de mim mesma.

// Ainda existe algum preconceito em relação a mulher se expressar livremente? Você sente isso no seu trabalho?

Acho que a mulher sempre sofrerá algum tipo de preconceito. Em qualquer profissão. Por um motivo ou outro ela sempre sofre um pouco de preconceito.

Nina Pandolfo por Projeto Curadoria
// E o que te faz feliz?

Tantas coisas me fazem feliz. Poder pintar o que amo. Poder passar um tempo com meus animais. Saber que tenho um Deus que me ama. Minha família.....

// Quais dicas você daria para outras mulheres potencializarem suas criações?

Acima de tudo elas devem acreditar que elas são capazes. Acreditar no potencial delas. Olharem para elas mesma e quando olharem para suas criações elas possam estar satisfeitas e orgulhosas do resultado.

Nina Pandolfo por Projeto Curadoria
Nina Pandolfo por Projeto Curadoria

FOTO DO PERFIL/DIVULGAÇÃO POR PRISCILA PRADE

COMPARTILHE
b
//+entrevistas