m
Nina
Benchimol
Brasil
vivendo em Rio de Janeiro . RJ
25 anos . artista

Sou artista visual autodidata. Ainda não encontrei um curso superior que me motive a insistir até concluir... e por enquanto, sigo estudando e praticando por conta própria. Desde pequena tive dificuldades de interação nas escolas por onde passei... não fui muito comunicativa e sociável. E sim, introspectiva, analista, observadora. Ficava no meu canto muitas vezes a desenhar.

O que me tornou mais comunicativa foi começar a dançar o maracatu. A aproximação com as danças regionais... coco, forró... sendo um dos potenciais da cultura brasileira. Acredito que então passei a perceber mais as pessoas ao meu redor e a dar atenção a isso, e não só ficar no meu mundinho particular.

Nina Benchimol por Projeto Curadoria
// Quais ferramentas você utiliza para se expressar?

Pincéis, tintas (acrílicas, de pele, decorativas), cadernos, lona, madeira, MDF, tecidos, linhas e agulhas, colas, tesouras, canetinhas, papéis recortados de revistas, máquina de tatuar e seus muitos itens...

// Qual sua maior motivação para criar? O que te inspira?

Independente das formas e suportes de minhas expressões artísticas, o que me move são as cores, as saturações, o brilho, contrastes. As coisas belas e energizadas me inspiram e o psicodélico com seus símbolos viajantes também.

Meu propósito nesse mundão é embelezar... colorir o cinza do coração das pessoas, colorir suas almas, corpos... colorir no meu diário ilustrado... Observar e colorir.

// Como é o seu processo criativo?

Espontâneo e experimental. Não costumo lidar com esboços. A obra nasce, brota, flui no suporte como um rio. Seja na pele, no papel, na lona... o traço e as cores percorrem ritmicamente, como uma música improvisada. E assim sempre busco ser no dia-a-dia, nos relacionamentos, etc.

Nina Benchimol por Projeto Curadoria
Nina Benchimol por Projeto Curadoria
// O que você faz no seu dia a dia para se manter criativa?

Meus pais ainda me ajudam financeiramente e isso me ajuda bastante. Ainda não conquistei uma situação financeira necessária para meu sustento, mas... sei que quando for para ser, vai chegar.

Tenho o prazer de criar diariamente com o Tempo sem pressa. Ter "tempo" para si é importantíssimo, pena que muitas pessoas precisam se acabar na correria, no relógio acelerado da vida moderna.

Ocasionalmente sinto ansiedades, agonias... Acontece. Fico aflita com muitas questões problemáticas existentes na sociedade, no Brasil... e no mundo afora. Mas sempre acabo me voltando ao mundinho particular da imaginação, do onírico, do belo... pois é de minha essência.

Tenho 25 anos, mas não deixei de ser criança. Observo o cenário ao redor com olhos assustados, chorosos... mas, sempre estou procurando brincar com meus instrumentos, o acidental, com meu ócio criativo e as muitas descobertas.

Nina Benchimol por Projeto Curadoria
// Quais os seus trabalhos ou projetos preferidos? Qual o motivo?

Tenho um trabalho/projeto que desenvolvo há três anos que lida com pinturas corporais e fotografias.

Com o tempo fui compreendendo e percebendo que é uma missão de doação energética através da pintura no corpo do outro que “está em mim”. São trabalhos embalados pela atmosfera natural da floresta ou da praia, e são nesses momentos que sinto minha bisavó índia em energia. Entro em um transe e em total conexão com a natureza, o vento, a água, a terra, as plantas... e sempre com esperanças de que a pessoa a receber a pintura também sinta algo especial. Meu sonho sobre esse projeto é pintar diferentes corpos e almas, de diferentes culturas, mundo afora. Assim como também me aproximar de tribos indígenas que manifestam suas simbologias e rituais com pinturas corporais.

Outro trabalho/projeto são as ilustrações que são realizadas em cadernos. Levo o caderno em minhas saídas, em contextos sociais. Observo as pessoas, amigos ao meu redor e os represento, unindo-me da imaginação e da poesia do momento e dos sentimentos. E isso resulta em uma historinha a partir de cada ilustração que se refere a um momento vivido por mim. É tão grande minha paixão pelas ilustrações e por cadernos que iniciarei produção de capas artesanais para vender e inspirar as pessoas a se expressarem em cadernos. Acho uma das coisas mais prazeirosas da vida!

Também já iniciei uma jornada de tatuagens. Dei uma pausa, mas pretendo retornar. E isso dialoga com as pinturas corporais... lidando com o corpo do outro de forma ritualística e especial.

Por fim, acredito que ambos os projetos/trabalhos lidam com o outro, seja o corpo como suporte ou em ponto de vista da observação. Busco um contato especial com o outro. Um contato de afeto e de doação colorida. O outro que há em mim.

// Você teve algum marco importante na sua carreira ou um momento decisivo? Como isso influenciou sua trajetória?

Quando passei a morar sozinha (com ajuda de minha mãe) muita coisa se transformou. Mais solidão necessária para criar, a calma no espaço, mais responsabilidade de ter que cuidar desse espaço. Essa mudança fez brotar novos trabalhos e pouco a pouco foi amadurecendo muitas questões em mim.

// Quais são suas influências, inspirações ou artistas preferidos? Como isso se reflete no seu trabalho?

Não sei bem se me influencio por algum trabalho. Mas admiro muito a Frida, sua vida e a emoção envolvida nas obras. Também o Kandinsky e suas reflexões e considerações acerca da relação da espiritualidade com a criatividade na expressão artística. Também gosto muito das belas figuras femininas do Mucha durante o movimento da Art Nouveau.

Nina Benchimol por Projeto Curadoria
Nina Benchimol por Projeto Curadoria
// Ainda existe algum preconceito em relação a mulher se expressar livremente? Você sente isso no seu trabalho?

Sempre me expressei livremente, na medida do possível.

O pré-conceito acaba existindo por questões de falhas comunicativas e perceptivas, são julgamentos. O princípio é, talvez, descontroles internos e trevosos. Muitas vezes quando manifestamos um preconceito com relação ao outro demonstramos um desequilíbrio pessoal, isto é, considerando que a imagem que temos do outro sempre é diferente do que o outro realmente é. O importante é haver respeito e sempre trabalharmos a comunicação da melhor forma possível.

// E o que te faz feliz?

A tranquilidade e o tempo para produzir. Amar alguém e ser amada. Cultivar amizades e dar presentes. Estar perto da natureza e sua exuberância. Me deixaria mais feliz se não houvesse tanto cinza nos caminhos e nos corações das pessoas. Se houvesse mais cores e coisas belas na estrada de cada um.

Nina Benchimol por Projeto Curadoria
Nina Benchimol por Projeto Curadoria
// Quais dicas você daria para outras mulheres potencializarem suas criações?

Fortalecer o templo-corpo. Sempre. Afinal o único lugar que temos certeza que podemos morar é no nosso próprio corpo, então, devemos cuidar dele com muita garra. Mais ainda para nós mulheres, fortalecer a energia do chakra da criação que fica próximo ao centro de equilíbrio do corpo é essencial. Lida com a criatividade no geral, o materno... Encarar de frente o Yang, o ativo, a ação, a atitude, o enérgico em paralelo com o Ying, a suavidade, sensibilidade, fragilidade necessárias para percepções criativas na vida. Buscar se envolver nos processos com confiança e perseverança, mas, com humildade.

COMPARTILHE
b
//+entrevistas