m
Natalia
Felippe
Brasil
vivendo em São Paulo . SP
30 anos . ilustradora

Sou designer gráfica por formação e artista por paixão. Desde sempre a arte foi o meio mais natural de me expressar e também algo necessário na minha vida para me sentir conectada e plena.

Como muitos, minha história com a arte começou na infância, quando gostava de passar o tempo desenhando em vez de brincando. Na adolescência acabei me distanciando do meu precioso hobby e me formei em Publicidade e Propaganda. Comecei a trabalhar com marketing de moda e segui em frente, nesse período me distanciei de mim e do que me trazia satisfação de viver. Quando estava com 24, me sentia incompleta e vazia, mesmo gostando do meu trabalho na moda. Nessa época passava por uma fase difícil na família e foi aí que comecei também a me interessar por meditação, yoga, reiki e por tudo relacionado a espiritualidade. Foi então que senti que precisava retomar a arte na minha vida. Decidi que iria atrás disso, me inscrevi em cursos e workshops para me trazer toda a paixão de volta.

No ano passado, uma amiga me pediu para ajudá-la em uma feira de arte de pequenos produtores artesanais. Fui e levei algumas pedras pintadas e energizadas e posters. Ali, eu me senti completa e tive a certeza de que eu precisava continuar a fazer arte.

Natalia Felippe por Projeto Curadoria
// Quais ferramentas você utiliza para se expressar?

As que mais utilizo são pedras de rio e madeiras rústicas com tinta acrílica, mas eu adoro papel, aquarela, nanquim e bico de pena também.

// Qual sua maior motivação para criar? O que te inspira?

A vontade de criar algo a partir da minha própria visão e experiência me motiva, sinto plenitude em criar e poder emocionar alguém ou simplesmente fazer do mundo um lugar mais belo e leve. Muitas coisas me inspiram. Estar no meio da natureza, uma manhã de sábado, admirar o trabalho de outros artistas, escutar música, conhecer lugares, ter novas experiências, conversar com pessoas distintas, viajar ou uma simples imagem pode me inspirar. Pra mim, inspiração é tudo aquilo que traz uma sensação e que desperta a vontade de construir algo, então ela está em tudo que me rodeia.

Natalia Felippe por Projeto Curadoria
Natalia Felippe por Projeto Curadoria
// Como é o seu processo criativo?

Nem sempre é um processo, acontece de formas diferentes a cada vez. Estou sempre colecionando imagens e buscando referências e o processo acontece em meio disso. Quando quero expressar algo específico, faço uma pesquisa de referências, rascunho algumas coisas e assim, tudo vai tomando forma. Às vezes pode acontecer de eu simplesmente desenhar algo que sinto que quero fazer, sem um processo organizado, mas sim fluido.

// O que você faz no seu dia a dia para se manter criativa?

Busco referências, pesquiso sobre outros artistas, experimento novos materiais, faço listas. Sou a "louca das listas", gosto de listar as possibilidades que tenho dentro do que faço, listo coisas que tenho vontade de ilustrar, listo lugares que quero conhecer, cursos que quero fazer, isso me ajuda a buscar sempre algo novo dentro do meu universo. Nem tudo listado é concretizado, mas o fato de refletir sobre minhas aspirações, pesquisar e me aproximar do que eu desejo e sonho sempre alimenta minha bagagem ou vira um insight que pode servir para uma criação no futuro..

Natalia Felippe por Projeto Curadoria
Natalia Felippe por Projeto Curadoria
// Quais os seus trabalhos ou projetos preferidos? Qual o motivo?

O meu preferido hoje é a madeira rústica de girassol. Eu adoro ilustrar flores, plantas e trabalhar nos pequenos detalhes com luz, sombra e traços fininhos. É uma meditação o processo de preencher cada pétala e folha com traços que tornam o desenho mais real e vivo. Neste momento eu esqueço de tudo e fico inteiramente ali, imersa e entregue.

// Você teve algum marco importante na sua carreira ou um momento decisivo? Como isso influenciou sua trajetória?

Participar a primeira vez do Jardim Secreto expondo os meus trabalhos com certeza foi muito marcante. Ver a reação das pessoas conhecendo meu trabalho pela primeira vez, foi muito gratificante e fez tudo valer a pena. Eu sempre quis que fosse real a possibilidade de trabalhar com arte e antes disso eu não enxergava como poderia ser este caminho, eu só tinha a vontade e a intenção. E desde esse dia, foi como se o caminho fosse iluminado e eu pudesse sentir que era por ali que eu deveria seguir.

Natalia Felippe por Projeto Curadoria
// Quais são suas influências, inspirações ou artistas preferidos? Como isso se reflete no seu trabalho?

Meu trabalho é inspirado na natureza, no amor e nas energias. Valorizo as atitudes positivas, o equilíbrio e a espiritualidade.

O mundo natural me nutre como artista e como pessoa, gosto de estar na natureza, gosto de vê-la da forma que for, em uma fotografia, em uma ilustração em um trabalho de outro artista, etc.

Utilizo os elementos da natureza, tanto em forma de ilustração, como também nas plataformas que escolho pintar: pedras naturais de rio e madeiras rústicas. As pedras que são energizadas com reiki, conhecida como energia de cura e gratidão, acabaram se tornando a forma que encontrei para incluir a espiritualidade na minha arte. A intenção é tocar as pessoas para levar o sentimento positivo no dia a dia.

Minhas artistas preferidas são Gennine Zlatkis e Katie Daisy.

Natalia Felippe por Projeto Curadoria
// Ainda existe algum preconceito em relação a mulher se expressar livremente? Você sente isso no seu trabalho?

Sim, acredito que ainda exista este preconceito e acho que o preconceito maior é em relação a expressar a arte e em considerá-la uma ocupação e não apenas um hobby.

Já senti o preconceito no meu trabalho por eu me expressar de forma delicada, feminina e leve e já passei por situações de me questionarem porque eu não tenho um estilo para o público masculino, sendo que na realidade isso não é pré-definido quando quero me expressar. Eu só faço o que gosto de fazer e não penso que isso é para um ou para outro gênero, é simplesmente o que eu desejo entregar para o mundo.

// E o que te faz feliz?

Estar no meu ateliê criando em uma manhã de sol me faz muito feliz.

Mas tem muito mais que isso, estar com a minha família, sair com minhas amigas, curtir a minha casa, fazer listas é claro, e as pequenas coisas que podem parecer clichê, mas eu valorizo mesmo, tomar um café fresquinho, receber pessoas queridas em casa, dormir depois do almoço, balançar na rede, festa junina, dançar, meditar, piquenique, brigadeiro de capim santo, são tantas coisinhas que me fazem feliz... nem dá para listar, mas eu até gostaria de fazer essa lista...

Natalia Felippe por Projeto Curadoria
Natalia Felippe por Projeto Curadoria
// Quais dicas você daria para outras mulheres potencializarem suas criações?

Faça. Se mova mesmo sem saber exatamente por onde seguir. Você tem mais chances de se encontrar e expandir o que quer que seja sua criação, criando mais, experimentando mais, arriscando mais e compartilhando com cada vez mais pessoas. Se mantenha conectada com você mesma, seja através de meditação, caminhada, leitura, etc. Alimente a si própria com o que você verdadeiramente dá valor, isso tudo contribui para que sua criação tenha a sua identidade, te trará a plenitude e as direções ficarão cada vez mais claras.

// Você tem algum novo projeto em andamento?

Estou sempre pensando em como aprimorar o que faço e aprender novas técnicas e formas de fazer melhor, é uma busca constante. Meu momento é entender e estudar as novas formas de trabalhar as pedras e as madeiras. Tem algumas ideias que ainda precisam ser testadas e então a partir daí terei mais novidades.

Natalia Felippe por Projeto Curadoria
COMPARTILHE
b
//+entrevistas