m
Minna​
Miná
Brasil
vivendo em João Pessoa . PB
23 anos . designer . ilustradora

Sou formada em Comunicação em Mídias Digitais na UFPB. Fiz duas exposições individuais de ilustrações, “As pequenas coisas d'Amélie Poulain” em 2012 e “À espera no campo de centeio”, exposta em 2014, 2016 e 2017. Participei em exposições coletivas e fiz vários trabalhos como ilustradora e designer para cartazes de eventos culturais, animações, capas de livros e ilustrações para revistas. Este ano, produzi e financiei através do Catarse minha primeira​ ​narrativa​ ​gráfica​ ​“Onde​ ​as​ ​gaivotas​ ​fazem​ ​seus​ ​ninhos”.

Meus trabalhos autorais possuem uma temática bastante pessoal, retratando meus dilemas, anseios e alegrias. Busco inspiração também no cinema e na literatura, seja na composição visual, no tema, ou na construção da narrativa visual. Gosto de combinar várias técnicas em meus trabalhos, seja sobre​ ​papel,​ ​ou​ ​digitalmente.

Desenho desde pequenininha. Com o tempo, o que era um passatempo se tornou uma necessidade, uma válvula de escape. Percebi que era através do desenho que me comunicava, me mostrava para o mundo e sem precisar dizer uma palavra. Quando estou pintando, estou em um momento sozinha comigo mesma. É como se a cada quadro, eu me conhecesse mais, me transformasse. Preciso​ ​disso​ ​para​ ​estar​ ​em​ ​constante​ ​mudança.

Eu tenho uma grande paixão pelos livros e adoraria trabalhar com ilustrações para publicações. Os livros tiveram um grande papel durante meu crescimento, eles me mostraram que eu não estava sé, que alguém me entendia. Gostaria​ ​muito​ ​de​ ​poder​ ​contribuir​ ​dessa​ ​forma​ ​também.

Minna​ ​Miná por Projeto Curadoria
// Quais​ ​ferramentas​ ​você​ ​utiliza​ ​para​ ​se​ ​expressar?

Gosto muito de trabalhar com técnica mista, seja de forma completamente tradicional, ou com digital e tradicional ao mesmo tempo. Adoro a estética do manual, das pequenas falhas e texturas e procuro sempre inserir isso mesmo nos trabalhos digitais. Sobre papel, trabalho com tinta acrílica, aquarela, nanquim, pastel, grafite, lápis de cor e aquarela.

Adoro experimentar e estou sempre procurando aprender técnicas novas para inserir no meu trabalho. Ultimamente, tenho produzido algumas xilogravuras e linogravuras e tenho investido mais no audiovisual.

Minna​ ​Miná por Projeto Curadoria
// Qual​ ​sua​ ​maior​ ​motivação​ ​para​ ​criar?​ ​O​ ​que​ ​te​ ​inspira?

Busco inspiração no cinema e na literatura, minhas duas grandes paixões. Adoro como o cinema usa a composição, enquadramento e paletas de cores para contar uma história. Sem falar na construção da narrativa e dos personagens, presente também na literatura. Sou uma menina muito quieta e gosto de observar muito as pessoas e lugares. E acabo também usando isso como pesquisa e​ ​referência​ ​para​ ​meus​ ​trabalhos.

// Como​ ​é​ ​o​ ​seu​ ​processo​ ​criativo?

Eu sempre carrego um caderninho de desenho comigo para fazer esboços rápidos e anotar ideias, frases soltas ou mesmo uma historinha. E então, relendo e revendo, escolho as ideias com mais potencial para desenvolver. Antes de começar a produzir de fato, costumo planejar e fazer vários estudos de cores, composição e técnica. Gosto de pintar escutando música e acabo sem nem perceber​ ​a​ ​hora​ ​passar.

Minna​ ​Miná por Projeto Curadoria
Minna​ ​Miná por Projeto Curadoria
// O​ ​que​ ​você​ ​faz​ ​no​ ​seu​ ​dia​ ​a​ ​dia​ ​para​ ​se​ ​manter​ ​criativa?

Gosto de ir à exposições, museus e apresentações sempre que posso. Escuto muita música, leio livros, quadrinhos, vou bastante ao cinema e adoro descobrir​ ​novos​ ​artistas​ ​através​ ​da​ ​internet.

Minna​ ​Miná por Projeto Curadoria
// Quais​ ​os​ ​seus​ ​trabalhos​ ​ou​ ​projetos​ ​preferidos?​ ​Qual​ ​o​ ​motivo?

“Onde as gaivotas fazem seus ninhos” é minha primeira narrativa gráfica, ela segue um formato experimental, mesclando a linguagem dos livros ilustrados e quadrinhos. O livro conta a história de 4 personagens que vivem na mesma cidade​: o viajante, a imigrante, a executiva e o menino de luto. Apesar de não se conhecerem, eles possuem algo em comum além da solidão: estão na busca, cada um à sua maneira, por um ninho, refúgio no cotidiano. ​As 4 histórias são contadas​ ​de​ ​forma​ ​paralela​ ​e​ ​enviesada,​ ​usando​ ​mais​ ​imagens​ ​que​ ​textos.

Tudo começou no Porto, Portugal, onde estudei durante um tempo. Foi lá onde surgiu a ideia inicial, onde produzi o roteiro e desenvolvi os personagens. Todo o processo de produção durou um pouco mais de um ano. O livro ainda foi meu Trabalho de Conclusão de Curso e, depois, consegui arrecadar dinheiro para sua​ ​impressão​ ​através​ ​do​ ​financiamento​ ​coletivo​ ​do​ ​Catarse.

Eu sempre quis fazer um livro de ilustrações e com “Onde as gaivotas...” esse sonho foi realizado. Eu pude ter domínio de todo o processo de produção e aprender bastante com isso. Foi também meu projeto mais ousado, longo e que mais demandou de minha dedicação. Durante a campanha, tive um contato direto com os apoiadores e recebi um feedback muito legal, foi super construtivo. Além disso, é uma alegria muito grande ter um projeto financiado graças à ajuda de​ ​um​ ​monte​ ​de​ ​gente​ ​que​ ​apostou​ ​na​ ​sua​ ​ideia​ ​e​ ​confiou​ ​em​ ​seu​ ​trabalho.

Minna​ ​Miná por Projeto Curadoria
// Você​ ​teve​ ​algum​ ​marco​ ​importante​ ​na​ ​sua​ ​carreira​ ​ou​ ​um​ ​momento decisivo?​ ​Como​ ​isso​ ​influenciou​ ​sua​ ​trajetória?

Ano passado, eu fiz intercâmbio acadêmico na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, em Portugal. Foi uma experiência de muito crescimento pessoal, acadêmico e profissional. Tive a oportunidade de aprender novas técnicas de pintura e impressão e consegui produzir muita coisa. A cidade me inspirava cotidianamente e me fazia produzir num ritmo acelerado e constante. Voltei pro Brasil com novas ideias, projetos, uma visão diferente de mundo​ ​e​ ​do​ ​meu​ ​próprio​ ​trabalho​ ​e​ ​claro,​ ​com​ ​muita​ ​saudades​ ​da​ ​terrinha.

Minna​ ​Miná por Projeto Curadoria
Minna​ ​Miná por Projeto Curadoria
// Quais​ ​são​ ​suas​ ​influências,​ ​inspirações​ ​ou​ ​artistas​ ​preferidos?​ ​Como​ ​isso se​ ​reflete​ ​no​ ​seu​ ​trabalho?

Eu acompanho o trabalho de várias ilustradoras através das redes sociais. Admiro muito os trabalhos de Julia Sardá, Maria Herreros, Isabelle Arsenault, Rebecca Dautremer e Paula Bonet. ​Elas possuem um trabalho muito consistente e premiado no mercado. Tô sempre procurando aprender com o trabalho delas, que​ ​é​ ​simplesmente​ ​incrível.

Também não posso deixar de citar os diretores Tim Burton e Wes Anderson, o escritor Salinger e o ilustrador e escritor Shaun Tan. Além disso, costumo​ ​ler​ ​muitos​ ​artigos​ ​e​ ​livros​ ​sobre​ ​design​ ​gráfico,​ ​tipografia​ ​e​ ​cinema.

Minna​ ​Miná por Projeto Curadoria
// Ainda​ ​existe​ ​algum​ ​preconceito​ ​em​ ​relação​ ​a​ ​mulher​ ​se​ ​expressar livremente?​ ​Você​ ​sente​ ​isso​ ​no​ ​seu​ ​trabalho?

Acredito que sim, mulheres são minorias nas artes e ainda são subestimadas. Mas particularmente, eu não vivenciei diretamente esse preconceito, as pessoas costumam me procurar justamente pelo meu traço e estilo.

// E​ ​o​ ​que​ ​te​ ​faz​ ​feliz?

As coisinhas pequenas são as melhores para mim. Me sinto feliz ao ver o sol se pôr, ao nadar no mar, quando fico juntinho com minha família e amigos e claro,​ ​quando​ ​saboreio​ ​um​ ​brownie​ ​de​ ​chocolate!

Minna​ ​Miná por Projeto Curadoria
Minna​ ​Miná por Projeto Curadoria
// Quais​ ​dicas​ ​você​ ​daria​ ​para​ ​outras​ ​mulheres​ ​potencializarem​ ​suas criações​?

Acho que minhas dicas partem da minha própria experiência. No começo eu sentia muita insegurança em mostrar meu trabalho, dele não estar bom o suficiente. Mas hoje eu sei que é preciso acreditar em você mesma e saber que aquele trabalho é o melhor que você pode fazer naquele momento. Além disso, é importante estar sempre aprendendo e experimentando, não se acomodar. Por fim, acho que a motivação do artista precisa ser verdadeira e vir de dentro, e não de​ ​fora.​ ​Quando​ ​se​ ​faz​ ​algo​ ​com​ ​amor​ ​e​ ​sinceridade,​ ​isso​ ​não​ ​passa​ ​em​ ​branco.

// Você​ ​tem​ ​algum​ ​novo​ ​projeto​ ​em​ ​andamento?

Recentemente, concluí o livro “Onde as gaivotas fazem seus ninhos”. Depois de um ano de produção, apresentei ele como Trabalho de Conclusão de Curso e, em seguida, fiz uma campanha no Catarse para arrecadar dinheiro para a impressão. A campanha foi bem sucedida e acabou há pouco mais de 15 dias. O objetivo agora é imprimir o livro, lançá-lo e expor os quadros originais. Já estou ansiosa​ ​para​ ​pôr​ ​tudo​ ​isso​ ​em​ ​prática!

Minna​ ​Miná por Projeto Curadoria
COMPARTILHE
b
//+entrevistas