m
Maya
Soletti
Brasil
vivendo em São Paulo . SP
31 anos . ilustradora

Vim de Florianópolis para São Paulo em 2012, e foi também nesse ano que comecei a desenhar. Acredito que a mudança pra uma cidade tão grande e com tantos estímulos visuais e sonoros despertou em mim essa vontade de me expressar, de fazer algo que mostrasse quem eu sou, o que eu quero contar.

Maya Soletti por Projeto Curadoria
// Quais ferramentas você utiliza para se expressar?

Trabalho basicamente com nanquim e bico de pena.

// Qual sua maior motivação para criar? O que te inspira?

Eu acho essa pergunta difícil de ser respondida sem cair num clichê, mas a inspiração sempre vem de dentro. Meu trabalho é bem feminino e não dá pra fugir da ideia de uma auto-representação, de sentimentos bem particulares.

Maya Soletti por Projeto Curadoria
Maya Soletti por Projeto Curadoria
// Como é o seu processo criativo?

Eu crio uma imagem inicial, uma ideia. A partir daí eu busco referências da posição que eu quero retratar essa mulher, busco referências de flores ou folhagens ou quaisquer outros elementos que eu queira usar. Pode ser a partir de uma foto, de um livro, de trabalhos de outros artistas que me inspiram. E a partir disso eu vou desenvolvendo a minha ideia no papel e criando o meu trabalho.

Maya Soletti por Projeto Curadoria
Maya Soletti por Projeto Curadoria
// O que você faz no seu dia a dia para se manter criativa?

Procuro ler, frequentar museu e exposições, ter contato com a natureza e brinco com meu filho, invento histórias e músicas pra ele. Crianças são uma fonte inesgotável de criatividade.

// Quais os seus trabalhos ou projetos preferidos? Qual o motivo?

Gosto muito de alguns trabalhos que fiz em 2014, onde bordei desenhos meus em cima de algumas fotos. Foi um material diferente, não usei mais, mas gosto muito do resultado.

// Você teve algum marco importante na sua carreira ou um momento decisivo? Como isso influenciou sua trajetória?

Em 2013 fui morar com meu atual marido e como ele é artista, entrei em contato com uma infinidade de materiais que eu desconhecia, com muitos livros e trabalhos de outros artistas e isso me inspirou muito a entrar nesse mundo mesmo, levar o desenho mais a sério e tentar evoluir dentro da ilustração.

Eu já desenhava um pouco, mas sem pretensão nenhuma e essa mudança influenciou demais na minha trajetória e na forma de como me relaciono com o desenho hoje em dia.

Maya Soletti por Projeto Curadoria
Maya Soletti por Projeto Curadoria
// Quais são suas influências, inspirações ou artistas preferidos? Como isso se reflete no seu trabalho?

Eu acredito que com a internet é muito difícil a gente não se basear no trabalho de ninguém, mas não ser uma cópia e manter a minha assinatura no meu trabalho é uma preocupação constante pra mim. Eu acompanho trabalhos de algumas tatuadoras que eu gosto muito, como a Monique Pak, a Maria Fernanda Brum, a Sarita. Acompanho o trabalho da Brunna Mancuso, que tem um estilo bem diferente do meu mas sempre me inspira muito pois trata dos mesmos temas. Gosto muito do desenho da Giselle Quinto, que ela borda. Tem uma infinidade de artistas legais, a grande maioria que eu acompanho e me inspiro são mulheres. Citei só brasileiras pra valorizar as nossas, mas lá fora tem muita, muita coisa boa também.

Maya Soletti por Projeto Curadoria
Maya Soletti por Projeto Curadoria
// Ainda existe algum preconceito em relação a mulher se expressar livremente? Você sente isso no seu trabalho?

Eu acho que o preconceito já foi de certa forma derrubado, mas ainda falta muita visibilidade. Falta colocar o trabalho das mulheres no mesmo espaço que os dos homens. Acredito que a gente possa sim se expressar livremente, mas que poderíamos ter muito mais alcance e reconhecimento.

Maya Soletti por Projeto Curadoria
Maya Soletti por Projeto Curadoria
// E o que te faz feliz?

Fico muito feliz por estar, aos poucos, sendo reconhecida pelo meu trabalho. E minha família sempre, em primeiro lugar.

// Quais dicas você daria para outras mulheres potencializarem suas criações?

Acreditar no seu trabalho, se dedicar, entender que é um processo de aprendizado, de evolução, não é um dom.

// Você tem algum novo projeto em andamento?

Estou trabalhando em algumas estampas para uma marca de bolsas de uma amiga, uma empresa que aquece a economia local, livre de mão de obra escrava e de produtos de origem animal. É uma marca que me identifico e estou ansiosa pelo resultado dessa parceria.

Maya Soletti por Projeto Curadoria
COMPARTILHE
b
//+entrevistas