m
Martoka
Portugal
vivendo em Lisboa . Portugal
32 anos . artista . tatuadora

Me chamo Marta mas me chamam de Martoka, que acabou virando meu nome artístico.

Nasci em Lisboa, vivi 5 anos em São Paulo e recentemente retornei a Portugal .

Me formei em Design Gráfico, mas nos últimos 4 anos resgatei a paixão pelo desenho e decidi mergulhar nessa descoberta! Hoje trabalho com arte, tentando sempre levar meu trabalho o mais longe possível, através de quadros, murais, tatuagem e do workshop “A Arte que habita em nós”.

Martoka por Projeto Curadoria
// Quais ferramentas você utiliza para se expressar?

Tudo o que tiver à mão. Tenho me apaixonado cada vez mais pelo grafite, pela leveza que ele traz ao meu trabalho. Quando faço algo mais colorido, uso lápis de cor, acrílica, ecoline, entre outros. Neste momento estou numa nova fase e experimentando outros materiais e técnicas, como a colagem de tecidos e papéis com diferentes texturas.

Martoka por Projeto Curadoria
// Qual sua maior motivação para criar? O que te inspira?

Minha maior motivação é poder criar imagens que façam sentir, que tenham uma história contida, a minha, a de outro alguém. Como espelhos de alma que se refletem. É saber, que através do meu trabalho, desperto algo mais profundo.

Me inspiram as pessoas, as histórias delas, o que está por detrás. A natureza, a poesia, a música, a palavra... tudo o que me rodeia pode ser motivo de inspiração!

Martoka por Projeto Curadoria
Martoka por Projeto Curadoria
// Como é o seu processo criativo?

Depende do trabalho. Quando é algo feito especialmente para alguém, eu gosto de ouvir sua história, de saber como e porque aquela pessoa chegou até mim. Sentir qual a nossa conexão. A partir daí o processo flui, com a ajuda de palavras chave, imagens e um bom chá.

Quando é algo mais livre, pesquiso bastante imagens/fotografias de mulheres que contenham um tom mais poético e de mistério. Isso me instiga a criar sobre elas, eu mesma faço sua história e a construo no papel.

No meio do processo sempre surgem insights, não é algo fechado desde o início.

Meu processo é bem aberto a estímulos externos, conversas, ideias que surgem, elementos novos que experimento, por isso que todas elas são bem diferentes! Enquanto desenho, vou conversando com ela e entendendo melhor sua história, eu não decido nada.

// O que você faz no seu dia a dia para se manter criativa?

Não consigo viver sem música, então acho que ela é fundamental no meu dia.

Pesquiso e guardo muitas imagens. Gosto de comprar flores e adoro descobrir novos artistas que me inspirem!

Martoka por Projeto Curadoria
Martoka por Projeto Curadoria
// Quais os seus trabalhos ou projetos preferidos? Qual o motivo?

Que difícil! Todas elas são bem especiais e têm um papel fundamental na minha história e no meu percurso. É a imagem de uma mulher mas somos todas ali, e isso faz com que cada uma seja especial à sua maneira. Retratam uma fase na minha vida, um sentimento, uma energia, uma história.

Mas me lembro que quando terminei uma delas, fiquei muito tempo olhando para ela e pensando no quão mágica ela era, parecia me falar “ está tudo bem, você não está sozinha”, e isso ressignificou muita coisa aqui dentro e me fez entender um pouco mais do porque desenho essas mulheres, como elas chegam até mim.

Martoka por Projeto Curadoria
// Você teve algum marco importante na sua carreira ou um momento decisivo? Como isso influenciou sua trajetória?

Tive vários!! O pulo inicial: ter saído em várias mídias que divulgaram meu trabalho antigo quando ainda desenhava em garrafas. Me deu bastante visibilidade.

Ao longo do tempo meu trabalho foi crescendo e amadurecendo, e o marco mais recente foi ter sido convidada pela Faber-Castell para falar sobre mim, num vídeo que passou no canal de TV Arte1.

Acho que nesse momento me dei conta de todo o percurso, da caminhada dos últimos 3 anos. Me fez olhar com outros olhos para tudo o que já criei, para essas mulheres, e isso despertou em mim uma sensação de muito amor, muita gratidão e muito orgulho pelo que faço. E não tem nada mais aconchegante que isso

Martoka por Projeto Curadoria
Martoka por Projeto Curadoria
// Quais são suas influências, inspirações ou artistas preferidos? Como isso se reflete no seu trabalho?

De alguma forma, tudo o que me rodeia me influencia e me inspira, desde imagens, músicas, pessoas e a natureza. Alguns artistas: Bao Pham, Sara Golish, Sage Barnes, Elizabeth Pawle, Paula Bonet, entre outros..

Tenho uma boa memória fotográfica, então de todas essas imagens que aparecem para mim, de alguma forma tento extrair um pedaço delas e as interpreto no meu trabalho.

Martoka por Projeto Curadoria
Martoka por Projeto Curadoria
// Ainda existe algum preconceito em relação a mulher se expressar livremente? Você sente isso no seu trabalho?

Acho que ainda existe, infelizmente. Mas tenho visto muitas artistas mulheres com trabalhos maravilhosos e verdadeiros. Acho que cada uma de nós tem uma histórias profunda, e quando expressada com sensibilidade é capaz de voar além fronteiras. Pode demorar um tempo e sofrer algum tipo de preconceito ou rejeição por parte da sociedade, mas está crescendo. É preciso acreditar nisso!

Martoka por Projeto Curadoria
Martoka por Projeto Curadoria
// E o que te faz feliz?

Música envolvente, conexões inesperadas, conversas sorridentes, pessoas felizes, a praia e seu sol, me sentir inspirada, ter novas ideias e ter energia para as concretizar. Ver pessoas correrem atrás de seus sonhos e poder de alguma forma, por mais pequena que seja, contribuir para esse processo.

Me descobrir, me curar e me transformar cada vez mais através da minha arte.

// Quais dicas você daria para outras mulheres potencializarem suas criações?

Acreditem sempre em si mesmas. Não duvidem que são capazes!

Não sejam guiadas pelo medo, mas sim pela liberdade, pela beleza, pela verdade de quem são. Se dediquem, conheçam e aprofundem seu processo criativo, ele é único e poderoso!

Martoka por Projeto Curadoria
Martoka por Projeto Curadoria
// Você tem algum novo projeto em andamento?

Tenho um projeto na gaveta há um tempo que está crescendo aos poucos e tomando forma.

Todo este percurso da minha vida nos últimos anos, me levou ao encontro de muitas mulheres que, de alguma forma, contribuíram para o meu crescimento, para a minha cura e transformação, como pessoa e profissional.

A Marta que era não é mais a mesma que sou. E isso se deve muito a essas mulheres que se cruzaram no meu caminho e me fizeram acreditar e ter coragem para prosseguir.

“Mulheres Azuis” é o nome desse novo projeto. O intuito é entrevistar/conversar com mulheres que se conectam com o meu trabalho, ouvir a sua história e entender o que a move e o que faz ela sorrir. Não sei ainda qual será o resultado final mas quero materializar essas histórias no papel, extrair essa mulher de cura que está dentro de cada uma de nós

COMPARTILHE
b
//+entrevistas