m
Marina
Rodrigues
Brasil
vivendo em Campinas . SP
29 anos . artista . designer

Aos 22 anos dei início a minha carreira como designer de joias. Durante os meus seis anos de carreira lancei, além da linha feminina, também infantil, masculina e customização de moda. A criatividade e curiosidade sempre me motivaram a querer saber mais sobre mundos ainda desconhecidos. Em 2015 conheci a “Tape Art” decorando meu novo ateliê. A arte feita com fitas adesivas ainda era inovadora e novidade no Brasil e decidi arriscar um ano da minha vida testando a técnica e me conhecendo nessa frente artística. Me encontrei nesse desafio e resolvi me dedicar em tempo integral a Tape Art, deixando as joias nas minhas melhores lembranças. Encontrei barreiras pelo caminho, pois tive o desafio de mostrar ao Brasil o que era essa arte que nasceu do grafite urbano e que eu comecei a inserir na decoração.

Hoje, com dois anos de caminhada, tive a surpresa, alegria e gratidão de ter a minha Tape Art entre as melhores revistas de decoração do Brasil como a nova tendência para decor. Aprendi que somos capazes de vencer barreiras culturais e pessoais para atingir nossos objetivos.

Marina Rodrigues por Projeto Curadoria
// Quais ferramentas você utiliza para se expressar?

Acredito que nossa primeira forma de expressão não começa propriamente no trabalho, mas sim, em nós mesmos. A minha rotina de vida e meus costumes, como me visto, me comunico e me expresso considero ser minhas principais influências e formas de expressão. Através do que sou, externo em arte o mundo que vejo e vivo.

Marina Rodrigues por Projeto Curadoria
// Qual sua maior motivação para criar? O que te inspira?

Minha maior motivação são meus objetivos daqui cinco anos. Preciso correr para chegar lá! O minimalismo me inspira. A calmaria, a simplicidade nos detalhes e nas cores.

Marina Rodrigues por Projeto Curadoria
Marina Rodrigues por Projeto Curadoria
// Como é o seu processo criativo?

Hoje é baseado em um dia tranquilo e sem música. O som vem nas horas vagas e o silêncio preenche a criatividade. Atravesso dois processos diferentes: projetos totalmente autorais nos quais utilizo todas as técnicas que desejo com o design que quero e projetos sob encomenda para clientes específicos, sendo o último quando aplico minha identidade com base na personalidade do meu cliente e da casa dele. Acho importante estudar as características e volumetria que o ambiente me pede, casado com a rotina e estilo de vida que meu cliente busca para si.

// O que você faz no seu dia a dia para se manter criativa?

Busco conhecer novos artistas além de me manter atualizada entre os que já me inspiram. Quando há oportunidade de conhecer a arte pessoalmente através de exposições, a absorção da identidade é ainda maior. Além disso, sou uma observadora do mundo afora, vejo linhas, geometria e conexões entre o urbano e a natureza que me inspiram a criar.

Marina Rodrigues por Projeto Curadoria
// Quais os seus trabalhos ou projetos preferidos? Qual o motivo?

É difícil escolher um só. Cada projeto se torna especial por alguém especial, pela arte em si, pelo momento, ou pela cidade em que tive o prazer de conhecer. Nesse momento, ainda recente, cito o projeto em que fui assistente de um dos primeiros Tape Artistas a trabalharem com essa técnica no Mundo. Flekz me convidou a somar em sua arte em Nashville - Tennessee US, onde tive a alegria de aprender ainda mais sobre a Tape Art, além de realizar o sonho de conhecer outro país.

Marina Rodrigues por Projeto Curadoria
Marina Rodrigues por Projeto Curadoria
// Você teve algum marco importante na sua carreira ou um momento decisivo? Como isso influenciou sua trajetória?

Houve um grande marco na minha transição como designer de joias e tape artista. Descobri que eu mudei de área, mas ainda pude continuar trabalhando com a criatividade, com projetos autorais e com processos manuais. Hoje vejo que posso ultrapassar as barreiras que a sociedade impõe de seguir uma carreira só durante longos anos. Não me vi encerrando um ciclo, me vi ampliando minha criatividade e conhecimento. Hoje sei que minha trajetória é baseada na velocidade da minha criatividade. Não sei quanto tempo estarei fazendo Tape Art. Mas sei que minha visão de mundo pode se ampliar para design de mobiliário, luminária, moda, esculturas, instalações conceituais ou o que o momento me permitir criar.

// Quais são suas influências, inspirações ou artistas preferidos? Como isso se reflete no seu trabalho?

Posso citar vários, entre nacionalidades e técnicas diferentes: Jose Pedro Croft, Tomie Ohtake, Valdirlei Dias Nunes, Almicar de Castro, Seikon, Julio Le Parc... Eles refletem o minimalismo que busco em minhas criações em formas diferentes de expressão.

Marina Rodrigues por Projeto Curadoria
Marina Rodrigues por Projeto Curadoria
// Ainda existe algum preconceito em relação a mulher se expressar livremente? Você sente isso no seu trabalho?

Não sinto diretamente essa barreira. Mas com certeza existe e observo ela através de outros pontos, relacionado com minha vida pessoal ou com as mulheres ao meu redor. Não sinto que o preconceito está perto de se acabar, mas sinto que ao decorrer dos anos, essa barreira toma uma proporção menor e tende a se quebrar junto com costumes e condições que nós mulheres temos o poder de impor.

Marina Rodrigues por Projeto Curadoria
// E o que te faz feliz?

Me faz muito feliz estar com a minha família, ver pessoas que eu amo realizando sonhos e ver a alegria de pessoas que adquirem uma arte minha.

Marina Rodrigues por Projeto Curadoria
Marina Rodrigues por Projeto Curadoria
// Quais dicas você daria para outras mulheres potencializarem suas criações?

O poder está dentro de nós. Quando começamos a quebrar barreiras, sentimos que podemos conquistar o mundo dentro e fora de nós. O desafio é subir cada degrau e observar de fora. Não se preocupar em cair, pois isso significa que você não terá mais esse erro para cometer.

Marina Rodrigues por Projeto Curadoria
// Você tem algum novo projeto em andamento?

Sou dessas que guardam surpresas na caixinha para surpreender . O que posso dizer é que 2018 será um marco na minha Tape Art como uma forma, de uma maneira que nunca foi vista em meus projetos anteriormente, além de novas viagens e projetos em parcerias com marcas e artistas talentosíssimos.

Marina Rodrigues por Projeto Curadoria
COMPARTILHE
b
//+entrevistas