m
Manu
Cunhas
Brasil
vivendo em Florianópolis . SC
30 anos . designer . ilustradora

Sou formada em design gráfico pela UDESC e trabalho com projetos editorias e ilustração. Moro em Florianópolis e sou freelancer, usando meu tempo livre para dar aulas e desenvolver meus projetos pessoais. Fiz dois financiamentos coletivos desde o ano passado, o primeiro para arrecadação de fundos para o projeto Adote um ronrom, com o livro Como diria meu gato, e o mais recente, o livro Outras meninas. Tenho três gatos - muito importante.

Manu Cunhas por Projeto Curadoria
// Quais ferramentas você utiliza para se expressar?

Trabalho com pintura digital e tradicional, em especial aquarela e nanquim.

// Qual sua maior motivação para criar? O que te inspira?

Depende da área. Como freelancer, minha motivação gira em torno do aprendizado da técnica que estou explorando e naturalmente o pagamento.

Tenho normalmente um ou dois projetos pessoais em andamento, o que significa que a motivação deles depende do tema que estou trabalhando. Pode ser apenas para desenvolvimento pessoal, por motivações sociais, mas o que mais importa é que a coisa todo tenha começo, meio e fim.

// Como é o seu processo criativo?

Por conta da minha formação em design, o processo é bastante linear e baseado nas metodologias mais comuns. Quase sempre, começo por levantamento de dados sobre o tema, referências visuais e depois de conhecer bem o que estou trabalhando, vou para uma grande geração de alternativas. Escolhida a que melhor me satisfaz, apresento para o cliente, caso haja um, e vou para a finalização do desenho.

Manu Cunhas por Projeto Curadoria
Manu Cunhas por Projeto Curadoria
// O que você faz no seu dia a dia para se manter criativa?

No momento, não me considero uma pessoa extremamente criativa, normalmente preciso de um escopo bem fechado para conseguir produzir. Tenho sketchbooks diferentes, estudo técnicas e temas de maneira sazonal, mas o mais importante é não parar de criar. Gosto de projetos de alguns meses em que eu possa explorar o máximo possível do tema em questão, para depois partir para o próximo. Enjoo muito de fazer sempre a mesma coisa, rotina me mata.

// Quais os seus trabalhos ou projetos preferidos? Qual o motivo?

Eu sou meio apegada a grande parte deles, mas o "Outras meninas" me transformou demais. Não sou uma pessoa muito insegura, mas sempre tive uma péssima auto-estima e alguns outros problemas emocionais atrelados. A construção desse projeto fez eu me conhecer, principalmente o lado mulher, que sempre tive dificuldade de encarar. Sou muito agradecida a ele e às moças que participaram, foi um ano lindo de construção mútua.

Manu Cunhas por Projeto Curadoria
Manu Cunhas por Projeto Curadoria
Manu Cunhas por Projeto Curadoria
Manu Cunhas por Projeto Curadoria
Manu Cunhas por Projeto Curadoria
// Você teve algum marco importante na sua carreira ou um momento decisivo? Como isso influenciou sua trajetória?

Acho que minha trajetória é um pouco curta para que eu possa já declarar um marco, mas vejo que o início da parceria com o projeto Adote um Ronrom me influenciou muito. Nele comecei a desenhar tirinhas semanalmente e me permitiu uma maior organização dos meus trabalhos pessoais. A partir daí, comecei a investir mais em produção independente.

Manu Cunhas por Projeto Curadoria
Manu Cunhas por Projeto Curadoria
Manu Cunhas por Projeto Curadoria
// Quais são suas influências, inspirações ou artistas preferidos? Como isso se reflete no seu trabalho?

Minhas primeiras influências partiram do RPG, Magic e quadrinhos, então comecei com uma enorme carga de fantasia. Ilustradoras como Rebecca Guay e Stephanie Pui-Mun Law abriram as portas para a aquarela, com desenho etéreos e delicados. Desde então, a internet me fez esbarrar com centenas de grandes artistas, mas eu normalmente prefiro os trabalhos femininos. Na verdade, nem sei dizer o por quê, mas acaba que eu gosto da arte e depois descubro uma mulher por trás dela.

Manu Cunhas por Projeto Curadoria
Manu Cunhas por Projeto Curadoria
// Ainda existe algum preconceito em relação a mulher se expressar livremente? Você sente isso no seu trabalho?

Nunca fui menosprezada como ilustradora, mas percebo que como professora, se preocupam demais em como eu me porto ou com o que visto. Essa cobrança incoerente partiu mais da equipe de professores e administradores do que dos próprios alunos. Isso me irritou profundamente e é algo que claramente acontece comigo e outras professoras, mas não com os colegas homens - sendo que um ou outro já teve envolvimento inadequado com alunas. Baixar a cabeça nessas horas só reforça o meio machista, embora seja mais cansativo.

O importante é fazer bem o seu trabalho e se impor no meio.

// E o que te faz feliz?

Desenhar, ver animações, fazer sexo, comer, conversar com os amigos, não necessariamente nessa ordem.

// Quais dicas você daria para outras mulheres potencializarem suas criações ?

Façam parcerias e apareçam no mundo. Conheço muita gente boa que não interage, publica coisas na internet ou vai em eventos. É muito importante estar ativa no meio e existem várias formas de fazer isso.

Acredita numa causa? Se associe a ela! Faça com o que vocês cresçam juntos para dessa forma terem mais visibilidade para construir coisas boas.

Manu Cunhas por Projeto Curadoria
Manu Cunhas por Projeto Curadoria
// Você tem algum novo projeto em andamento?

Eu ainda estou com o "Outras meninas", mas logo terei outros desengavetados.

Até lá, recomendo seguir minha página no Facebook e meu Instagram para conhecer o que está por vir 😉

COMPARTILHE
b
//+entrevistas