m
Lídia
Viber
Brasil
vivendo em Rio de Janeiro . RJ
30 anos . artista . graffiteira . tatuadora

Sou mineira de Belo Horizonte da comunidade do Taquaril. Meu pai e mãe me criaram com humildade, muito “zelo” e cuidado com a rua e seus possíveis problemas. Aos 15 comecei a perceber as intervenções na minha cidade e ver que era possível expressar meus desenhos nos muros... Nessa perspectiva me envolvi com a Arte Urbana de forma autodidata como uma maneira de escape à criação muito caseira e pela realidade segmentada dos jovens da minha comunidade que muito me afetava. Desde então crio personagens jovens, sensíveis, vulneráveis carregados de sentimentos.

Em 2012 fiz a Faculdade de Cinema de Animação na UFMG e quase no fim abortei a missão, decidi novos rumos e me mudei para o Rio de Janeiro.

Atualmente me dedico ao aprendizado de tatuagens.

Lídia Viber por Projeto Curadoria
// Quais ferramentas você utiliza para se expressar?

Amo tintas, cores… Utilizo as que tenho a mão. Sprays, aquarelas, óleo, pincéis e rolinhos, papéis, canetas...

// Qual sua maior motivação para criar? O que te inspira?

Minha maior motivação é o poder de criar algo. Tudo me inspira, as coisas que vejo, vivo, a rua, as pessoas, os sentimentos… Sou bastante intensa e meus personagens sofrem essas interferências.

Lídia Viber por Projeto Curadoria
// Como é o seu processo criativo?

Meu processo é na maioria das vezes mental. Tem vezes em que desenho feito louca e outras que passo muito tempo sem riscar um papel. Com minha mudança para o Rio, iniciei um processo de saída da “zona de conforto” tema que foi carro chefe da minha última exposição. Isso tem me feito ler, estudar, criticar mais a mim mesma e por isso venho modificando esse processo.

Lídia Viber por Projeto Curadoria
Lídia Viber por Projeto Curadoria
// O que você faz no seu dia a dia para se manter criativa?

Leio sobre coisas que me interessam, procuro matérias, fotografias, artigos… Sempre compartilho minhas ideias com meu companheiro que sempre faz abordagens relacionadas a questionamentos e daí vejo outros pontos de vista.

Sou curiosa e isso de alguma forma me ajuda, mas não me proponho rotinas, deixo sair assim natural.

// Quais os seus trabalhos ou projetos preferidos? Qual o motivo?

Bom, as pinturas e a tatuagem agora mais recente.

As pinturas porque é um mundo em que estou envolvida fortemente há 15 anos, as técnicas que desenvolvi, as viagens que já fiz para pintar em outros estados, a quantidade de pessoas e bons momentos que isso me proporcionou.

A tattoo é pelo contrário da arte que faço nas ruas, porque ela se torna eterna e é um pedacinho meu que aquela pessoa vai carregar consigo.

// Você teve algum marco importante na sua carreira ou um momento decisivo? Como isso influenciou sua trajetória?

O que me causou muito impacto foi saber a quantidade de pessoas em muitos lugares que tinham conhecimento do que eu fazia e gostavam muito, mas por minha Tag (apelido usado nas ruas) pensavam que eu era um homem. (Viber)

Lídia Viber por Projeto Curadoria
Lídia Viber por Projeto Curadoria
// Quais são suas influências, inspirações ou artistas preferidos? Como isso se reflete no seu trabalho?

Tenho muitos artistas dos quais admiro muito os trabalhos e também de como eles atravessam essa vida seguindo com suas artes. Resistência é uma palavra que me influência. E se você acredita na sua arte e tenta viver dela é inspirador.

Meu trabalho tem muito do meu mundo, minha cabeça, meus medos… eles são como uma extensão da minha alma, creio que os reflexos são situações diversas das quais vivo.

Lídia Viber por Projeto Curadoria
// Ainda existe algum preconceito em relação a mulher se expressar livremente? Você sente isso no seu trabalho?

A questão do preconceito com a mulher existe em todos os contextos, eu acredito e presencio muitas vezes. Porém creio também que ele afeta apenas se você deixar. Nós mulheres somos fortes e podemos tudo!

// E o que te faz feliz?

Me faz feliz saber que meu trabalho causou alguma reação nas pessoas, estar produzindo, ir pra rua e além de pintar ter um convívio com os transeuntes.

Lídia Viber por Projeto Curadoria
Lídia Viber por Projeto Curadoria
// Quais dicas você daria para outras mulheres potencializarem suas criações?

Rabisque muito suas ideias, coloque todas escritas em um caderninho de notas e vá pensando nas formas mais interessantes de colocá-las em prática. Conheça seus gostos, se conheça. Tenha foco e apenas faça!

// Você tem algum novo projeto em andamento?

Meu projeto agora é aprender o máximo que posso na tatuagem e como minhas criações podem sobressair nessa ideia de habitar pessoas.

FOTO DO PERFIL/DIVULGAÇÃO BY BIA

COMPARTILHE
b
//+entrevistas