m
Juliana
Mota
Brasil
vivendo em São Paulo . SP
29 anos . bordadeira . ilustradora . designer

Desde pequena gosto de desenhar, meus pais sempre me incentivaram à isso e são pessoas que sempre botam a mão na massa, ajustando roupas, construindo coisas com madeira, pregando e arrumando coisas em casa com as próprias mãos.

Escolhi cursar a faculdade de Design Gráfico, por conta do desenho e também por poder criar no computador, não sabia muito bem o que esperar, mas sabia que podia combinar com o que eu gostava. Gostava da possibilidade de misturar técnicas, misturar colagem de tecido com digital, scanear textura de tinta e montar uma ilustração com isso. Meu trabalho de TCC foi um livro para crianças ilustrado com colagem de tecido e a partir daí comecei a pegar trabalhos de ilustração com tecido.

Em um desses trabalhos freelancer me perguntaram se eu bordava, falei que não mas que topava aprender, já era uma coisa que eu gostava, tinha uma pasta de referências e namorava essa possibilidade. Pois bem, aprendi inicialmente com vídeos no Youtube e depois disso me apaixonei perdidamente e fui atrás de aulas presenciais. Conheci a professora Flávia Lhacer e fiz algumas aulas com ela, é minha mestra maravilhosa, aprendi sobre bordado e sobre ter uma identidade.

A partir daí comecei a pegar encomendas das pessoas próximas e montei minha loja online no Iluria, depois criei Facebook e Instagram e a coisa começou a fluir.

Trabalhava de tarde em um escritório de design e de manhã e de noite com bordado. No começo do ano passado fui convidada a dar aula, nunca tinha pensado nessa possibilidade, mas foi maravilhoso, a oficina lotou e consegui visualizar a possibilidade de viver apenas com o bordado.

Fiquei mais de um ano entre encomendas, aulas e o trabalho fixo de design até que esse ano, em abril, resolvi arriscar e focar apenas no bordado pegando alguns eventuais freelas de design.

E hoje, 2 meses depois, me vejo plena e realizada com essa escolha. É claro que bate o medo de não ter um “salário” estável, pois sempre trabalhei fixo, mas a felicidade de traçar meu próprio caminho, fazer minhas próprias escolhas, não tem preço.

Juliana Mota por Projeto Curadoria
// Quais ferramentas você utiliza para se expressar?

Desenho à mão, no computador, fotografia e o bordado.

// Qual sua maior motivação para criar? O que te inspira?

Me sinto muito inspirada pela natureza, tenho muitas plantas e sempre que posso viajo ou vou a parques. Adoro receber briefing desafiadores também, me estimulam a criar algo diferente.

Juliana Mota por Projeto Curadoria
// Como é o seu processo criativo?

Amo fotografia e começo vendo referências fotográficas na internet e referências gráficas também. Vejo artistas que admiro, faço um café, coloco uma música e fico com o olho desperto.

Juliana Mota por Projeto Curadoria
Juliana Mota por Projeto Curadoria
// O que você faz no seu dia a dia para se manter criativa?

No dia a dia aparecem muitas ideias, muitas mesmo, a mente não pára, então sempre que aparece alguma coisa eu anoto pra rever depois.

Conversar com pessoas do meio me ajuda muito! Rola uma troca de ideias muito intensa.

Músicas, filmes, exposições sempre inspiram muito também.

Juliana Mota por Projeto Curadoria
Juliana Mota por Projeto Curadoria
// Quais os seus trabalhos ou projetos preferidos? Qual o motivo?

Eu gosto muito do bordado que fiz baseado no “O Beijo” do Klimt, foi um desafio pois ele é bem preenchido mas amei o resultado. Outro que amo muito foi o que fiz pra exposição “Bordando São Paulo”, 10 bordadeiras escolheram um bairro pra representar e escolhi o Campo Limpo que foi onde nasci e cresci.

Juliana Mota por Projeto Curadoria
Juliana Mota por Projeto Curadoria
// Você teve algum marco importante na sua carreira ou um momento decisivo? Como isso influenciou sua trajetória?

Os dois marcos que penso agora foram coisas que me fizeram lidar com medos. Dar aula e aparecer ao vivo em um programa de TV. Sempre fui muito tímida, gostava de ficar só por trás dos bastidores e encarar ser o centro das atenções nas aulas foi um desafio, assim como aparecer na TV, mas foi muito importante lidar com isso, como crescimento pessoal e profissional.

Juliana Mota por Projeto Curadoria
// Quais são suas influências, inspirações ou artistas preferidos? Como isso se reflete no seu trabalho?

Eu amo ilustrações com mulheres, então, lá atrás, na faculdade já gostava de Klimt e Mucha. Quando comecei a pesquisar sobre livros infantis me apaixonei pela Elena Odriozola e Rebeca Luciani. Atualmente sempre acabo me inspirando no Willian Santiago, Giuliana do Ododua.Aum, Shaun Tan e Yelena Bryksenkova.

No bordado: Tessa Perlow, Cami Belô, Maricor Maricar, Yumiko Higuchi, Sarah Benning, Karen Barbé, Miga de Pan.

Juliana Mota por Projeto Curadoria
Juliana Mota por Projeto Curadoria
// Ainda existe algum preconceito em relação a mulher se expressar livremente? Você sente isso no seu trabalho?

Com certeza existe, eu acabo não fazendo bordado como protesto mas tem muita menina fazendo e acho maravilhoso. Imagens com temas feministas ou com o lado político. A mulher está abrindo um caminho mais “agressivo” na arte em geral.

Eu não sinto no meu trabalho pois faço temas mais suaves, o que eu sinto é a falta de valorização, muita gente acha caro e não enxerga toda a bagagem e trabalho que vem atrás.

Juliana Mota por Projeto Curadoria
// E o que te faz feliz?

Depois do período caótico que passei com dois empregos, dormindo super mal, sem tempo para sair, hoje valorizo muito meu tempo, respeito meu ritmo, sou mais gentil comigo mesma e o que me deixa feliz é conseguir reconhecer isso tudo e trabalhar com o que amo, ter qualidade de vida, ter tempo pra fazer tudo com calma.

// Quais dicas você daria para outras mulheres potencializarem suas criações?

Primeiro olhar pra dentro, cada ser é único e o trabalho manual é muito individual e pessoal. Tem espaço pra todo mundo, nenhum trabalho saí igual ao outro então olhar pra si é o caminho.

Juliana Mota por Projeto Curadoria
Juliana Mota por Projeto Curadoria
// Você tem algum novo projeto em andamento?

Quando resolvi focar no bordado achei que teria que abandonar o design ou pegar apenas trabalhos que não tivessem a ver com o bordado, mas hoje vejo que as coisas podem conversar e estou trabalho para divulgar meu trabalho com identidade visual onde a pessoa poderá desenvolver um logo e estará incluso o logo bordado também. Em breve vou lançar no site uma série de ilustrações para comprar e bordar. Enfim, estou nessa busca de unir mais os 3 mundos: design, ilustração e bordado.

COMPARTILHE
b
//+entrevistas