m
Juliana
Florentino
Brasil
vivendo em Bauru . SP
21 anos . tatuadora . artista

Tenho necessidade de criar desde que me lembro. Na pré-adolescência por circunstâncias da vida, precisei direcionar meus sentimentos conflituosos para algo construtivo e encontrei - ainda que não conscientemente na época - o fazer artístico como uma bela ferramenta de expressão e transmutação.

E desde então não parei. Foi se tornando cada vez mais um processo consciente até me despertar a vontade de estudar e “viver da minha arte”.

Minha busca constante é de autoconhecimento e a arte continua sendo minha aliada fiel nessa trilha.

Juliana Florentino por Projeto Curadoria
// Quais ferramentas você utiliza para se expressar?

Sou tatuadora e utilizo a técnica de handpoked com cristal - além da máquina. Faço aquarelas e recentemente me descobri apaixonada por bordado!

// Qual sua maior motivação para criar? O que te inspira?

Não sei listar motivações ou dizer qual a maior... é muito subjetivo. Criar é uma necessidade profunda pra mim. Todos os dias faço algo, alternando entre encomendas e projetos pessoais.

A natureza me inspira demais, em sua diversidade de plantas, animais e povos indígenas. O universo do self feminino também é uma inspiração muito forte no meu trabalho

Juliana Florentino por Projeto Curadoria
Juliana Florentino por Projeto Curadoria
// Como é o seu processo criativo?

Gosto de passar um cafezinho, acender um incenso e colocar uma música...

Pesquiso imagens inspiradoras, fotografo flores na rua e me inspiro em trabalho de artistas que admiro.

// O que você faz no seu dia a dia para se manter criativa?

Sou muito observadora e me considero bem criativa na maior parte dos dias, o yoga me ajuda muito a aquietar a mente, alinhar as ideias e canalizar a energia correta para as coisas que quero fazer.

Escuto muita música e gosto de andar de bicicleta pela cidade também.

Juliana Florentino por Projeto Curadoria
Juliana Florentino por Projeto Curadoria
// Quais os seus trabalhos ou projetos preferidos? Qual o motivo?

Gosto muito das tatuagens que fiz onde, no processo de criação, me foi dada total liberdade para criar. A confiança que recebo dos clientes me deixa muito feliz e grata!

Um projeto pontual que concretizei e fiquei muito feliz foi tatuar nas montanhas, usando a técnica handpoked. Foi mágico.

Juliana Florentino por Projeto Curadoria
// Você teve algum marco importante na sua carreira ou um momento decisivo? Como isso influenciou sua trajetória?

O momento decisivo pra mim foi quando fiz a primeira tatuagem em alguém, lá em 2014. E daí em diante escolhi me aprimorar na técnica.

Minha trajetória mudou radicalmente, a começar pela plataforma: a pele das pessoas. Me tornou muito mais dedicada e focada no meu processo.

Juliana Florentino por Projeto Curadoria
Juliana Florentino por Projeto Curadoria
// Quais são suas influências, inspirações ou artistas preferidos? Como isso se reflete no seu trabalho?

Atualmente tenho pesquisado ilustrações botânicas e o trabalho da artista inglesa Margaret Mee. Vida e obras inspiradoras!

Acompanho e admiro muitos artistas.

No universo da tatuagem, a Alice Rules, Elissa Rocabado, Mariana Kuroyama entre muitas outras mulheres talentosas.

Ver trabalhos bem feitos me faz estudar e querer ser melhor todos os dias!

// Ainda existe algum preconceito em relação a mulher se expressar livremente? Você sente isso no seu trabalho?

Sim!!! Existe, claro. Hoje em dia é muito mais velado, mas acontece. Quanto mais “chocante” a expressão, maior a repressão porque o incômodo é maior em quem não quer repensar os (pré)conceitos.

Não sei se preconceito, mas já me senti subestimada em algumas situações pontuais. Aprendi a lidar e usar como impulso pra continuar.

Juliana Florentino por Projeto Curadoria
Juliana Florentino por Projeto Curadoria
// E o que te faz feliz?

Viajar sozinha, fazer yoga e me sentir conectada com a força da natureza.

Pra mim felicidade está bem coladinha com tranqüilidade na mente. Contentamento. É a própria simplicidade de viver com calma.

// Quais dicas você daria para outras mulheres potencializarem suas criações?

Não seja muito dura consigo mesma! Coloque a preguiça de lado e se empenhe em estudar e dedicar tempo pra que haja o aprimoramento.

Passe todas as críticas na peneira, deixando ficar o que é construtivo e passar o que é tóxico.

COMPARTILHE
b
//+entrevistas