m
Dôra
Araújo
Brasil
vivendo em Salvador . BA
52 anos . artista

Nasci em Juazeiro - Bahia, mas moro em Salvador desde criança. Sou graduada em Artes Visuais pela Universidade Federal da Bahia e Especialista em Design Gráfico e comunicação Visual pela UNIFACS. Fotografo desde 2004, autodidata. Gosto de registrar o universo simbólico das mulheres, gotas de chuva, eventos na natureza, enfim, as coisas simples que eu vejo por aí. Trabalhei por muitos anos com Web Design e Design Gráfico. Há quatro anos venho pesquisando e trabalhando com técnicas artesanais. Criei a marca @doraaraujo.crochet e eventualmente crio peças para a Círculo S/A. Através desta parceria venho ministrando oficinas de arte têxtil em escolas e universidades. Sou apaixonada pelo que faço e estou aberta a parcerias. Aquariana e sonhadora, acredito na força do coletivo. Não suporto injustiças. Penso que precisamos de mais pontes e menos fronteiras. Falo melhor quando escrevo ou crio, acho que por ser bem tímida. O resto está nas respostas às perguntas logo abaixo.

Dôra Araújo por Projeto Curadoria
// Quais ferramentas você utiliza para se expressar?

Tenho um rosário de ferramentas (computador, pincéis e tintas, agulhas e linhas, câmera fotográfica, papéis, galhos de poda, etc.) dependurado no meu mundo particular e pretendo acrescentar outras tantas. Amo aprender. Aprender dá asas potentes ao gestual criativo. Ensinar também.

Dôra Araújo por Projeto Curadoria
// Qual sua maior motivação para criar? O que te inspira?

A natureza e seus eventos norteiam a minha obra. Tudo ali me inspira, do nascimento de uma planta até a sua morte. Ciclos. Também sou fascinada pelos pequenos segredos que ela carrega. Para quem trabalha com este tema, cultivar um pequeno jardim é ter o infinito nas mãos. A Natureza de todos os lugares falam a mesma língua, e mais a diversidade, talvez por isto o meu fascínio pelo tema.

// Como é o seu processo criativo?

Contínuo. Meus esboços são mentais. A medida em que crio, um caos vai se formando ao redor. O caos é uma outra potência, e sempre sinaliza outros tantos caminhos. Gosto de ouvir música enquanto crio.

Dôra Araújo por Projeto Curadoria
Dôra Araújo por Projeto Curadoria
// O que você faz no seu dia a dia para se manter criativa?

Pesquisas constantes, sobretudo a respeito do tema que me movimenta, mas creio que o que nos mantém criativos é a consciência de estar na mesma frequência com aquilo que trazemos conosco enquanto missão. Sermos aquilo que nascemos para ser. E trabalhar muito, fazer do gesto uma constante. Amar o gesto. Isto em qualquer profissão, até porque a criatividade não é uma dádiva apenas dos artistas, não é mesmo?

Dôra Araújo por Projeto Curadoria
// Quais os seus trabalhos ou projetos preferidos? Qual o motivo?

É sempre aquele no qual estou trabalhando ou terminei de assinar em baixo. No caso é a minha exposição individual "eu vou criar um jardim pra viver porque este mundo anda muito estranho", na Galeria Cañizares, para quem está em Salvador, até o dia 25 de Agosto. O motivo não é algo que eu racionalize, mas posso dizer que esta miríade de símbolos aglomerados está provocando um encantamento sincero. Estou feliz com a receptividade. Uma outra razão é que consegui reunir várias linguagens para dar vida à minha poética, o que se lhe conferiu, penso eu, uma certa força.

Dôra Araújo por Projeto Curadoria
// Você teve algum marco importante na sua carreira ou um momento decisivo? Como isso influenciou sua trajetória?

Logo depois que me formei em Artes Visuais (1997) me senti meio perdida, sem saber que rumo seguir e havia uma pressão para que a partir dali fosse trabalhar. Estes fatores acabaram me levando a adentrar para a área de Web Design e Design Gráfico. No meio deste processo ganhei uma câmera digital (2004) e passei a fotografar diariamente. Costumava dizer que pintava fotografando, já que não dava para viver de arte. Em 2006 fui morar no Rio de Janeiro e trabalhei como Designer de Interface de Softwares de estrada em uma empresa de Engenharia. Foi uma experiência fascinante. Quando voltei para Salvador fiz uma especialização em Design Gráfico e Comunicação Visual, pois para o mercado eu era Artista Plástica, mesmo com tantos anos de experiência comprovada. Ao concluir a especialização o mercado não me queria porque eu havia ficado cara, e mesmo com todas as dificuldades ainda me mantive na área por mais dois anos. Em 2013 verbalizei em alto e bom som que a partir daquele dia não faria mais nada em Design Gráfico e Web Design. E não fiz! Neste processo comecei a tecer umas roupas de crochê sem nenhuma pretensão a princípio (estava me sentindo perdida novamente), entretanto tudo foi mudando ao meu redor, novas possibilidades foram surgindo, pesquisei e estudei profundamente a técnica e algumas das suas variações, então decidi criar uma marca de vestuário. Em 2015 surgiu a possibilidade de parceria com a Círculo S/A e este relacionamento desencadeou uma série de novas possibilidades, inclusive a de retornar ao meu lugar de origem: as Artes Visuais.

Dôra Araújo por Projeto Curadoria
// Quais são suas influências, inspirações ou artistas preferidos? Como isso se reflete no seu trabalho?

O passado, o presente e até o futuro, que é onde habitam os sonhos, me influenciam. O que me alegra, o que incomoda, o que me toca, as culturas de todos os lugares... Acredito que tudo seja interligado por um fio invisível e nós transitamos por ele, dissertando, cada um à sua maneira, sobre esta vastidão.

Ao tecer um vestido de crochê, para citar um exemplo de como penso que a coisa funcione, eu sei que é um gestual impregnado da memória de infância, mas tem também aquele vestido que talvez eu possa ter visto numa vitrine de shopping qualquer ou em alguma transeunte, e até mesmo um movimento das Quatro Estações de Vivaldi ou ainda um dos maravilhosos vestidos de uma das pinturas de Klimt! Tudo isto pode estar naquele vestido, entende? E assim sendo são tantos os nomes/obras/fatos pra citar! Vou deixar aqui alguns: Björk, Nick Cave, Helio Oiticica, Tarkovsky, Cecília Meireles, Beethoven, Virginia Wolf, Blade Runner, Avatar, Sense8 e por aí vai...

Dôra Araújo por Projeto Curadoria
Dôra Araújo por Projeto Curadoria
// Ainda existe algum preconceito em relação a mulher se expressar livremente? Você sente isso no seu trabalho?

Enquanto houver desigualdade de gênero haverá preconceito. Quando percebo esta anomalia direcionada ao que faço, ignoro e sigo sendo aquilo que nasci para ser.

Dôra Araújo por Projeto Curadoria
Dôra Araújo por Projeto Curadoria
// E o que te faz feliz?

Estar com minha família, criar, pessoas amigas, ver pessoas felizes, as artes das pessoas, aprender, ensinar... A felicidade está em ser e não em ter, como nos tenta fazer acreditar nosso cruel sistema capitalista.

// Quais dicas você daria para outras mulheres potencializarem suas criações?

Seu maior obstáculo é sempre você. O que os outros dizem são “palavras ao vento”. Seja generosa para consigo mesma e tente ouvir aquilo que grita dentro de você. Seja generosa também com as outras mulheres. A nossa potência está na união. Prossigamos!

// Você tem algum novo projeto em andamento?

Seguir criando até o fim.

Dôra Araújo por Projeto Curadoria
COMPARTILHE
b
//+entrevistas