m
Carolina
Sinhorelli
Brasil
vivendo em São Paulo . SP
28 anos . artista . artesã

Até agora, meu trabalho tanto com os acessórios quanto com pesquisa parece ter oscilado entre abrir desvios e, ao mesmo tempo, voltar para meus lugares de formação. Eu fiz graduação em História e depois fui encaminhando a pesquisa para a área das Artes Visuais, onde desenvolvi minha pesquisa de mestrado; isso então se encaminhou paralelamente à produção dos acessórios. O trabalho com a produção que depois veio a se tornar a RAMPA teve início de forma bastante despretensiosa, eu fazia colares para mim mesma com materiais que sobravam do local onde eu trabalhava na época.

Carolina Sinhorelli por Projeto Curadoria
// Quais ferramentas você utiliza para se expressar?

Comecei com os pacotes de café, papelão e um pedaço de fio de luz, que eram mesmo materiais que iam pro lixo. A formação da produção como marca fez, então, com que eu continuasse a buscar novos materiais e a variação deles para além do reaproveitamento foi aparecendo. Dos ainda reciclados, eu comecei a usar a câmara de ar de bicicleta e as sacolas de plástico coloridas. Hoje, além de continuar com os reciclados, encontro os materiais em lugares diversos como ferragens, lojas de utilidades, de mangueira.

Carolina Sinhorelli por Projeto Curadoria
// Qual sua maior motivação para criar? O que te inspira?

Me parece que é mais um encantamento despretensioso com o mexer em coisas descartadas e imaginar outras possibilidades além da manutenção de uma reprodução tão automática.

// Como é o seu processo criativo?

Todos os acessórios têm essa base nos materiais que uso e a produção deles é bastante livre, não costumo desenhar os modelos e depois aplicar com os materiais. Costumo trabalhar diretamente mexendo e vendo o que pode ser formado nisso.

Carolina Sinhorelli por Projeto Curadoria
Carolina Sinhorelli por Projeto Curadoria
// O que você faz no seu dia a dia para se manter criativa?

Não sei se diria que criativa seria bem a palavra no meu caso, mas o que me provoca vários estalos de atenção e de dispersão é ser pedestre na cidade.

Carolina Sinhorelli por Projeto Curadoria
// Quais os seus trabalhos ou projetos preferidos? Qual o motivo?

Eu gosto bastante do uso do pacote de café dourado, porque é algo bastante comum e acessível (apesar de diversas pessoas perguntarem se é metal ou folha de ouro mesmo). Ele também me oferece possibilidades diversas na produção das peças e tem um resultado que me agrada.

Carolina Sinhorelli por Projeto Curadoria
Carolina Sinhorelli por Projeto Curadoria
// Você teve algum marco importante na sua carreira ou um momento decisivo? Como isso influenciou sua trajetória?

Só nesse semestre consegui focar mais na produção dos acessórios, então acredito que é algo ainda bastante em construção. Possivelmente, ter me mudado para São Paulo nesse ano modificou algo nesse processo também.

// Quais são suas influências, inspirações ou artistas preferidos? Como isso se reflete no seu trabalho?

Não diria que eu tenho algumas influências muito diretas de pessoas, mas sem dúvida ter me envolvido em pesquisa que atravessava o universo sensorial, como o do trabalho da Lygia Clark, pode ter transformado algumas relações com os materiais.

Carolina Sinhorelli por Projeto Curadoria
Carolina Sinhorelli por Projeto Curadoria
// Ainda existe algum preconceito em relação a mulher se expressar livremente? Você sente isso no seu trabalho?

Acredito que em vários sentidos esse preconceito se mantém, principalmente, no que toca conhecimentos disciplinares e, dentro disso, nosso corpo mesmo. Eu não trabalho com nada muito técnico no que diz respeito aos acessórios, então acho que acaba diminuindo as doses diárias de preconceito nesse caso. Isso era algo que eu sentia mais no trabalho acadêmico mesmo.

// E o que te faz feliz?

Atualmente, encontrar amigxs e fazer chá de gengibre.

Carolina Sinhorelli por Projeto Curadoria
Carolina Sinhorelli por Projeto Curadoria
// Quais dicas você daria para outras mulheres potencializarem suas criações?

Acho que confiar um pouco em alguns erros ou fracassos, talvez. Uma coisa que, se possível, caminha do lado do clichê aparentemente positivo da ousadia e alegria.

Carolina Sinhorelli por Projeto Curadoria
// Você tem algum novo projeto em andamento?

Um amigo, Felipe Vieira, e eu temos trabalhado em algumas ideias de luminárias, partindo também dessa busca por materiais acessíveis, porém pouco utilizados nessa área. Algo que estamos produzindo agora e pretendemos lançar em Dezembro desse ano.

Carolina Sinhorelli por Projeto Curadoria
COMPARTILHE
b
//+entrevistas