m
Camila
Fontenele
Brasil
vivendo em Sorocaba . SP
26 anos . fotógrafa . artista

Uma mulher que passou a infância migrando e que aprendeu a ter conchas do mar como parte de suas lembranças, e toda vez que essa mulher olha para essa memória com gosto de sal ela consegue ter coragem para continuar.

Falar sobre mim mesma sempre foi difícil pelos inúmeros vácuos, no entanto gosto de me ver como alguém em construção, uma pessoa que usa a arte como auto-cura. Pouco tempo faz que aceitei essa manifestação como parte de mim, pois dizer "sim" sempre me pareceu chegar muito perto da loucura.

Como toda pessoa eu tenho algumas cascas, sou formada em Publicidade e Propaganda pela Universidade de Sorocaba e pós-graduada em Cinema no Centro Universitário Belas Artes de São Paulo. Trabalhei na área de publicidade até 2012 e depois resolvi me arriscar na vida de freelancer, estou nessa aventura há 5 anos.

Camila Fontenele por Projeto Curadoria
// Quais ferramentas você utiliza para se expressar?

Até pouco tempo atrás eu achava que era apenas a máquina fotográfica, depois percebi que conseguia utilizar outras ferramentas, como: a escrita, os desenhos com linhas tortas, o corpo e até mesmo a voz. Estou experimentando.

Camila Fontenele por Projeto Curadoria
// Qual sua maior motivação para criar? O que te inspira?

Tudo que é difícil explicar, tudo que mora no fundo, os mistérios... Sinceramente é complicado, pois tudo que eu disser sobre motivação ficará incompleto. Me inspira muito o cotidiano, as mulheres, quase tudo parece me provocar encantamento.

Camila Fontenele por Projeto Curadoria
Camila Fontenele por Projeto Curadoria
// Como é o seu processo criativo?

É como preparar um almoço ou jantar, nunca sei como ficará no final, a única (in)certeza que tenho é que quanto mais eu me render melhor tende a ser. Frito o alho, seja na manteiga, óleo ou qualquer outra coisa escorregadia, e começo a minha alquimia.

Camila Fontenele por Projeto Curadoria
// O que você faz no seu dia a dia para se manter criativa?

Medito, choro, escrevo qualquer coisa e apago, faço um risco no papel, ando a pé, leio um livro, pego ônibus, canto debaixo do chuveiro, viajo para longe ou perto, acendo um incenso, visito a fronteira de mim mesma... Gosto de rituais.

Camila Fontenele por Projeto Curadoria
Camila Fontenele por Projeto Curadoria
// Quais os seus trabalhos ou projetos preferidos? Qual o motivo?

Eu gosto muito do meu primeiro projeto autoral, "Todos Podem Ser Frida", ele foi o percursor dessa minha estrada como fotógrafa e artista visual. Desde 2012 vem reverberando por aí.

Camila Fontenele por Projeto Curadoria

Do Avesso, meu projeto de conclusão da pós graduação, onde me inspirei no cineasta Andrei Tarkovski. Foi um trabalho espiritual e intenso, ainda quero expor esse material e contar detalhes sobre o meu processo.

Também foi muito maravilhoso pra mim, ter feito uma série chamada "Girls with Curves", a minha intenção era apenas atualizar meu portfólio com fotos que pudessem sair do padrão que vinha realizando, já que nem sempre tenho a autorização dos clientes para utilizar as fotos deles em meu site. Sendo assim, eu chamei duas meninas pra posarem na minha casa e foi transformador.

Camila Fontenele por Projeto Curadoria
// Você teve algum marco importante na sua carreira ou um momento decisivo? Como isso influenciou sua trajetória?

Na verdade eu tenho muitos processos importantes, acho que a vida é como subir e descer montanha, incansavelmente. Então eu vou contar pra vocês um momento recente, me ocorreu no começo desse ano.

Eu lancei uma campanha de financiamento coletivo pelo Catarse, o objetivo era conseguir verba para publicar um livro do meu projeto "Todos Podem Ser Frida", foram 60 dias no ar. Não consegui alcançar a minha meta, faltou bastante, no entanto esse resultado mudou muito a minha maneira de levar a minha vida e meu trabalho. Normalmente a gente não conta muito sobre os tombos e nem como é desafiador não chegar no topo da montanha. Por isso, esse processo foi meu marco. Como diz a Brené Brown - "Vulnerabilidade não é ganhar ou perder; É ter a coragem de comparecer e deixar-se ver quando não temos controle algum sobre o resultado. Vulnerabilidade não é fraqueza; É nossa maior medida de coragem."

Camila Fontenele por Projeto Curadoria
// Quais são suas influências, inspirações ou artistas preferidos? Como isso se reflete no seu trabalho?

Frida Kahlo foi uma das minhas primeiras inspirações. Eu caminho por várias linguagens e gentes, como: Fernanda Magalhães, Bené Fonteles, Patti Smith, Antanas Sutkus, Clarissa Pinkola Estés, Estela Miazzi, Platon, Mariana David, Sophie Calle, Edward Hopper, René Magritte, Agnès Varda e Marina Abramovic. Também busco sempre conhecer o trabalho de outras mulheres e me conectar com elas.

Camila Fontenele por Projeto Curadoria
// Ainda existe algum preconceito em relação a mulher se expressar livremente? Você sente isso no seu trabalho?

Muito! Teve um dia em que eu estava fotografando um show, o qual fui contratada para fazer, e um cara ficou me cutucando e apontando o que deveria ser registrado. Também já ocorreu, em uma exposição que fiz em Minas Gerais, onde um cara quis me desmerecer.

Isso me dói, é como se eu tivesse que vestir uma armadura toda vez que vou trabalhar, sabe? Por isso, nesse ano formulei uma vivência para meninas: o retrato como meio de autoconhecimento. Junto com a minha convidada e amiga, a artista corporal Evelin Bandeira, compartilhamos com as adolescentes (15-18 anos) sobre composição fotográfica utilizando como ponte referências de fotógrafas/artistas mulheres e fomentamos discussões sobre a apropriação do corpo.

Camila Fontenele por Projeto Curadoria
// E o que te faz feliz?

Qualquer coisa simples que aconteça no mundo!

O mar, os ipês, um docinho feito com amor, macarrão com tomate e manjericão, um abraço demorado e caloroso, um sorriso, uma música cantada por Maria Bethânia... Delicadezas.

Camila Fontenele por Projeto Curadoria
Camila Fontenele por Projeto Curadoria
// Quais dicas você daria para outras mulheres potencializarem suas criações?

Seja a sua própria cura e não tenha medo de ser quem és. Use a sua melhor roupa, louça, seja o que for, com você mesma – cuide da sua alma e espírito. Não desista, você não está sozinha!

Camila Fontenele por Projeto Curadoria
// Você tem algum novo projeto em andamento?

Estou trabalhando no meu projeto de memórias, "Longe é um lugar perto de mim", investigo a história dos meus pais migrantes para compreender meus passos e a minha realidade atual. Também estou desenvolvendo a minha primeira vídeo performance, "Eu, Baleia", esse animal sempre foi visto por mim como uma lembrança ruim, um “apelido” pejorativo que ganhei na adolescência, então estou buscando ressignificá-lo em minha vida – me curando.

Pretendo desenvolver mais vivências para mulheres, no entanto antes disso preciso transmutar algumas coisas em mim. Um passo de cada vez, né?

COMPARTILHE
b
//+entrevistas