m
Camila
Bachichi
Brasil
vivendo em São Paulo . SP
32 anos . designer

Sou formada em Arquitetura e trabalho com Design Gráfico há 10 anos. Foi nesse período que me interessei pelo trabalho manual, pois sentia necessidade de ter contato com os materiais e com as técnicas de impressão, ou seja, participar de todo o processo de concepção artística, até o resultado final. Hoje, os trabalhos manuais me fascinam e são o foco da minha produção. Camô Ensaios Criativos é justamente essa busca pelo autoral e pela investigação de diferentes técnicas e materiais. A proposta é estudar e propor novas ideias em diversos materiais, sem limites.

Camila Bachichi por Projeto Curadoria
// Quais ferramentas você utiliza para se expressar?

Como eu disse, não tenho uma ferramenta única. A ideia é realmente investigar todas as possibilidades que, de alguma forma, me chamam atenção. Hoje trabalho principalmente com gravuras, aquarelas, cerâmica e bordado, mas já estudo outras formas de expressão, como a monotipia.

// Qual sua maior motivação para criar? O que te inspira?

Sempre que vejo um material novo ou alguma técnica nova, tenho vontade de entender e produzir algo com aquilo. Como desde cedo eu fiz aulas de desenho, esse foi o meu ponto de partida, mas hoje me interesso por qualquer tipo de artes manuais. Nessa busca, vou fazendo pequenas oficinas e cursos, que me auxiliem com as técnicas para a criação de novas ideias.

Camila Bachichi por Projeto Curadoria
// Como é o seu processo criativo?

Busco entender os novos materiais e, a partir deles, propor minha identidade. Alguns processos são mais complexos, demora-se mais para desenvolver um produto interessante em cerâmica e gravura, por exemplo, já outros são intuitivos, pois talvez eu tenha mais repertório, como acontece com as aquarelas.

Camila Bachichi por Projeto Curadoria
Camila Bachichi por Projeto Curadoria
// O que você faz no seu dia a dia para se manter criativa?

Procuro novos materiais, participo de oficinas das mais diversas, converso com pessoas que me inspiram e passo o dia pesquisando e salvando coisas novas. Também sempre carrego um caderninho para anotar ideias e referências.

Camila Bachichi por Projeto Curadoria
// Quais os seus trabalhos ou projetos preferidos? Qual o motivo?

Gosto de todos os trabalhos porque juntos eles formam essa estrutura de investigação. Mas no momento estou mais envolvida com a xilogravura. Acho que tem tanta coisa para ser investigada ainda, principalmente no que diz respeito a materiais utilizados e linguagens.

Camila Bachichi por Projeto Curadoria
Camila Bachichi por Projeto Curadoria
// Você teve algum marco importante na sua carreira ou um momento decisivo? Como isso influenciou sua trajetória?

Sempre gostei de desenhar e isso foi determinante em minhas escolhas, tanto na arquitetura quanto no design. Depois de 10 anos trabalhando com design gráfico, percebi que faltava um contato maior com a minha identidade, com o meu processo. Precisava ter mais liberdade criativa e mais contato com os materiais. Desde então venho dividindo meus horários entre o Camô Ensaios e trabalhos como designer freelancer.

Camila Bachichi por Projeto Curadoria
// Quais são suas influências, inspirações ou artistas preferidos? Como isso se reflete no seu trabalho?

Na faculdade tive muitos amigos que foram para a área de ilustração e artes. Isso me ajudou a tomar essa decisão. Ou seja, essas pessoas com trabalhos e linguagens incríveis me inspiraram. A autonomia dentro do processo artístico foi a maior contribuição deles para meu trabalho. Logo que comecei, também conheci muitos artistas que, graças aos seus trabalhos, me deram força para acreditar, como Catarina Bessell, André Malheiros Santiago (Oticaotica) e Larissa Ribeiro (Estúdio Rebimboca) e Tina e Débora (Gypso)

Camila Bachichi por Projeto Curadoria
// Ainda existe algum preconceito em relação a mulher se expressar livremente? Você sente isso no seu trabalho?

Claro, afinal vivemos em uma sociedade misógina, que cobra muito mais da mulher do que dos homens. A mulher precisa se diferenciar por ser nada menos do que excepcional. Fiz uma aula sobre artes e artistas feministas e uma das perguntas era: “por que não houveram grandes mulheres artistas?” e a resposta é muito simples: existiram, mas por preconceito, em sua maioria, elas eram mais conhecidas por sua vida do que pela sua obra. A arte foi por muito tempo um meio de expressão exclusivo dos homens e isso tem reflexos até hoje. A experiência pessoal cria a linguagem, mas ela não define a qualidade da obra, por isso a avaliação pelo gênero é realmente equivocada.

Camila Bachichi por Projeto Curadoria
// E o que te faz feliz?

Ter tempo para criar mais.

// Quais dicas você daria para outras mulheres potencializarem suas criações?

Se unam. As mulheres ainda são incluídas na categoria ‘minoria’. Nos apoiando, temos muito mais força e voz. Afinal, nosso trabalho tem tanta qualidade e força como o de qualquer outro artista, pois, como eu disse, o gênero não define o artista.

// Você tem algum novo projeto em andamento?

Estou estudando novos materiais com as mesmas técnicas que já uso, algumas novas propostas de gravura e também de ilustração.

Camila Bachichi por Projeto Curadoria
COMPARTILHE
b
//+entrevistas