m
Bruna
Sanches
Brasil
vivendo em São Paulo . SP
30 anos . fotógrafa . designer . artista

Sou formada em Design Gráfico e trabalho há 10 anos no mercado editorial (revistas), em paralelo trabalho com fotografia mas hoje em dia é um trabalho mais autoral, adoro fotografar pessoas e seu cotidiano. Desde 2016 divido meu tempo com o projeto “Minha Segunda Pele” onde o foco é falar sobre a aceitação do corpo e da doença “vitiligo” que tenho desde os 18 anos. Por viver com a doença, nunca tinha encontrado ninguém que falasse claramente como é ter e como é o processo de aceitação, então percebi que já era hora de usar meu amor por design, feminismo e fotografia, e fazer um trabalho que ajudasse outros “desenhadinhos” a lidarem bem com a doença.

Bruna Sanches por Projeto Curadoria
// Quais ferramentas você utiliza para se expressar?

Meu corpo, a fotografia, o design e a escrita.

// Qual sua maior motivação para criar? O que te inspira?

O blog é o que mais me motiva a criar e fotografar. Quando comecei o projeto tive dúvidas se ele era relevante para mais alguém além de mim. Resolvi arriscar com a ideia de que se ele ajudasse uma pessoa, já teria valido a pena. Hoje em dia quando recebo mensagens de leitores dizendo que se identificam muito com as histórias (mesmo as que não tem vitiligo, mas que carregam outros complexos e doenças) e a forma como eu aceitei, tem ajudado no processo de aceitação deles, isso me faz ver cada vez mais sentido em continuar. Além disso conhecer novas pessoas e fazer parte do cotidiano delas de alguma forma me inspira a narrar parte de suas histórias através da imagem.

Bruna Sanches por Projeto Curadoria
// Como é o seu processo criativo?

Durante muito tempo fotografei casamentos, eventos, tutorias e making off e isso fez eu não querer mais ser fotógrafa, tudo parecia frio e automático. Mas o ponto de partida para resgatar o amor pelos cliques, foi lembrar as fotos que fiz durante viagens e a que fiz de uma artista de circo se arrumando. Mas o que consolidou a volta, foi quando comecei a fotografar minhas manchas de uma forma mais poética, sou rodeada de amigos fotógrafos, e eles também me fotografam. Essa coleção de imagens me inspiraram a expor de alguma forma e falar mais sobre isso. E por ter a doença a cada dia algo novo acontece e rende um novo conteúdo. Além disso adoro aprender coisas novas, ano passado fiz um curso de xilogravura e no projeto final fiz uma xilo sobre vitiligo. Tento sempre buscar novas ferramentas para falar do assunto.

Bruna Sanches por Projeto Curadoria
Bruna Sanches por Projeto Curadoria
// O que você faz no seu dia a dia para se manter criativa?

Por trabalhar com revistas passo grande parte do tempo buscando referências e de quebra vejo muitos ensaios. Outra questão muito importante é o fato de ser mulher, e vítima diária de assédios, a busca por quebrar padrões e dizer que o melhor corpo é o que nós temos faz eu querer expor mais o meu e amar as minhas manchas. Esse sentimento de liberdade me faz querer gritar para todas as mulheres e dizer: “tudo bem ter cicatriz, vitiligo, barriguinha, perna fina, nariz largo, pouco seio... você é linda assim!!!”, e não vai deixar de ser desejada, amada e respeitada por isso. Vamos mostrar que nós somos o padrão de beleza.

Bruna Sanches por Projeto Curadoria
// Quais os seus trabalhos ou projetos preferidos? Qual o motivo?

Adoro quando alguém aceita ser retratado por mim, no começo do ano fotografei uma amiga que tem 40% do corpo com marcas de queimadura, olhar para ela ali confiando em mim foi um momento muito especial. Quando escrevi uma matéria sobre vitiligo para as revistas Mundo Estranho e Vida Simples também encheu meu coração de orgulho. Outro marco importante foi quando o UOL me chamou para fotografar mulheres com cicatrizes do parto e clicar um modelo com vitiligo, além de me identificar foi um despertar, ao olhar aquele moço lindo e entender que as manchinhas dele deixavam ele ainda mais bonito, mudei meu olhar sobre a minha pele.

Bruna Sanches por Projeto Curadoria
Bruna Sanches por Projeto Curadoria
Bruna Sanches por Projeto Curadoria
// Você teve algum marco importante na sua carreira ou um momento decisivo? Como isso influenciou sua trajetória?

Em uma conversa com a minha mãe ela me disse que minha pele era como o céu, cheio de nuvens, no mesmo momento peguei uma caneta e brincamos de achar desenho na minha pele. Esse sem dúvida foi um marco importante na minha trajetória e um dos gatilhos para começar esse projeto. Foi depois dessa conversa que resgatei antigos retratos e senti vontade de voltar a fotografar.

// Quais são suas influências, inspirações ou artistas preferidos? Como isso se reflete no seu trabalho?

Mulheres reais. Claro que tem fotógrafos que admiro muito, amo Henrie Cartier Bresson, Richard Avedon e fotógrafos editorias como o Pablo Saborido, também sou viciada em achar coisas lindas no Pinterest, mas acompanhar mulheres emponderadas, cheias de talentos e expondo livremente seus corpos em um mundo hostil com o nosso sexo é inspirador.

Bruna Sanches por Projeto Curadoria
Bruna Sanches por Projeto Curadoria
// Ainda existe algum preconceito em relação a mulher se expressar livremente? Você sente isso no seu trabalho?

Muito! É um cuidado diário expor meu corpo sem conotação sexual. Já aconteceu de postar uma foto dos meus pés e um cara me lotar de mensagens pedindo mais fotos. Fora o preconceito com a doença, às vezes acontece de alguma mídia entrar em contato e ao ver as fotos falar algo como: “Ah, mas você não tem muitas no rosto... queremos chocar, então vamos procurar outra pessoa.”

// E o que te faz feliz?

Hoje em dia tudo, haha, amo ter chegado nos meus 30 anos trabalhando no que acredito, cada vez mais feminista e livre de todos os complexos que eu tinha sobre meu corpo. Por ser designer, adoro viver rodeada de arte e beleza. Minha rotina me faz feliz. E não precisar fazer cliques de coisas que não gosto ou não me despertam interesse.

// Quais dicas você daria para outras mulheres potencializarem suas criações?

Comece, se mostre, arrisque! Eu levei anos para começar o projeto Minha Segunda Pele, cheia de medos de ser ridicularizada, ou não dar certo... Até que um belo dia eu comecei. E isso me abriu tantas portas que me faz pensar: “porque não fiz isso antes?”. E não aceitar ficar por muito tempo no status de “vou trabalhar com isso que não gosto muito só pela grana ou aceitar que as pessoas não valorizem meu trabalho e fazer de graça pela divulgação.”

Bruna Sanches por Projeto Curadoria
Bruna Sanches por Projeto Curadoria
// Você tem algum novo projeto em andamento?

O projeto é até o começo do ano ter um canal no Youtube para falar mais sobre corpo, vitiligo, pele, feminismo, arte... Quando mais meios e pessoas estiverem falando sobre isso, melhor.

COMPARTILHE
b
//+entrevistas