m
Anny Carline
Brasil
vivendo em Balneário Camboriú . SC
22 anos . ilustradora

Curitibana, vivi na capital por 18 anos, mas atualmente moro em Balneário Camboriú, Santa Catarina. Sou apaixonada por praia, calor, sol e contato com a natureza. Assim, bastou completar a maioridade para me despedir de Curitiba e ir para perto do mar.

Meu contato com a criatividade vem de berço. Minha mãe sempre foi uma artista de diversos segmentos e cresci no meio das criações.

Em 2013 vi alguns desenhos de mandalas, me encantei pelo estético, mas me apaixonei pelo significado. Tentei desenhar algumas na brincadeira e fluiu. A partir dai comecei a ter retorno, elogios e começaram os pedidos. Em 2016 me encorajei e criei Energia Circular. Então comecei a divulgar e comercializar alguns trabalhos.

No entanto, as artes sempre ficavam em segundo plano por conta da faculdade. Projetos e ideias ficavam na mente e no papel por falta de tempo. Cursei três anos e meio de Engenharia Ambiental e Sanitária por influência e cobrança, mas nunca me vi trabalhando nessa área. Despertei para isso e passei a dar mais importância às minhas vontades, valorizar a mim e a vida. Então, tranquei a faculdade e as coisas começaram a se equilibrar e fluir.

Anny Carline por Projeto Curadoria
// Quais ferramentas você utiliza para se expressar?

Basicamente canetas. Faço minhas ilustrações em diversas superfícies como papel, tela, shapes, pranchas de surf, quilhas, paredes e o que aparecer na minha frente. Algumas superfícies exigem uma preparação e finalização com verniz. Para fundos de telas, por exemplo, utilizo tintas de spray ou tintas para tecido. Geralmente utilizo canetas da marca Posca, pois se aderem a qualquer tipo material, tem boa cobertura e secagem rápida. Para as colagens, revistas velhas também entram na brincadeira.

// Qual sua maior motivação para criar? O que te inspira?

Sem dúvidas, a natureza é minha maior inspiração. Sua imensidão, mistérios, cores, formas e mínimos detalhes nunca deixam de me surpreender e inspirar. A era digital também colabora muito, já que temos acesso a artes e artistas incríveis a todo o momento, o que sempre desperta algo novo. E, é claro, minha mãe.

O que me motiva é o processo no geral, arte é terapia, arte cura e é um processo meditativo. Então ficando bonito ou não esteticamente no final, sempre é um momento de aprendizado, de respiração, um silêncio mental necessário, uma energia descarregada e, ao mesmo tempo, recarregada. Afinal, se faz sentir, faz sentido.

Saber que vou inspirar mais pessoas a viverem esse momento artístico também me motiva.

Anny Carline por Projeto Curadoria
Anny Carline por Projeto Curadoria
// Como é o seu processo criativo?

Eu deixo fluir. Tanto nas ilustrações quanto nas colagens. Mas para a arte fluir eu tenho que estar bem comigo mesma, em um estado de espírito leve e equilibrado. Afinal, é uma energia que será depositada e concentrada ali.

A parte mais linda do processo é viver o aqui e agora. Onde só existe aquele espaço e tempo, sem preocupação, estresse e ansiedade.

Dificilmente faço um esboço antes de passar para a superfície. Faço-o apenas quando o cliente pede algo bem específico ou algo que eu nunca tenha feito antes.

Ah! E a música não pode faltar. O processo em harmonia com a música é muito mais bonito.

// O que você faz no seu dia a dia para se manter criativa?

Navego nas redes sociais e sites em geral sempre em busca de inspirações e mergulho em mim mesma através da meditação. É uma prática que equilibra a mente e o corpo e faz com que a criatividade venha espontaneamente.

// Quais os seus trabalhos ou projetos preferidos? Qual o motivo?

É difícil escolher algum em específico. Mas gosto muito dos meus trabalhos em parede, os maiores. É gratificante passar horas fazendo um desenho e no fim ver que o cliente gostou. Saber que deixei uma parte da minha energia no ambiente de alguém me deixa feliz.

Anny Carline por Projeto Curadoria
Anny Carline por Projeto Curadoria
// Você teve algum marco importante na sua carreira ou um momento decisivo? Como isso influenciou sua trajetória?

Pela primeira vez estou me dedicando inteiramente à arte, ainda não cheguei a chamar de carreira. Mas acredito que o marco importante foi trancar a faculdade. Esse fato me acalmou, tranquilizou minha mente e minha rotina, me deixando mais tempo pra fazer o que realmente gosto.

// Quais são suas influências, inspirações ou artistas preferidos? Como isso se reflete no seu trabalho?

Acompanho diversos artistas, principalmente no Instagram, que me inspiram bastante. Às vezes surge uma ideia totalmente aleatória só por estar olhando para algo novo e diferente. É bom manter a mente cri(ativa). Mas não saberia citar nomes.

// Ainda existe algum preconceito em relação a mulher se expressar livremente? Você sente isso no seu trabalho?

Pessoalmente, ainda não fui vítima de algum preconceito e nem presenciei um nesse sentido. Mas tenho certeza que existe. Se não existisse não estaríamos falando sobre. E tem que acabar. A arte está ai pra isso. Eu diria que é a melhor forma de expressão. Mostrar a nossa força como mulher utilizando um talento e fazendo com amor. Tem coisa mais linda?!

Anny Carline por Projeto Curadoria
Anny Carline por Projeto Curadoria
// E o que te faz feliz?

A liberdade de ser quem eu sou, estar onde gosto e com pessoas que me fazem bem. Viajar, admirar paisagens e culturas. Escutar boas músicas. O contato com a natureza. Mergulhar. Estar sempre em movimento e criando. Costumo dizer que o que mais amo na arte é o mesmo que na vida. A arte também nos dá essa liberdade de criação, de unir vertentes e técnicas, sem precisar apegar-se a apenas uma identidade.

// Quais dicas você daria para outras mulheres potencializarem suas criações?

Se joga! Não tenha medo e insegurança, não se preocupe em agradar a todos. Essa é sua forma de expressão e cada um se expressa de uma maneira. Por isso, não existe “errado” na arte. Coloque sempre na rotina um tempinho para a criação, não deixe apagar. Afinal, como disse Ferreira Gullar: “A arte existe porque a vida não basta”.

Acredite em si e compartilhe com o mundo. Vamos usar a tecnologia e as redes sociais para coisas boas (como esse projeto).

// Você tem algum novo projeto em andamento?

Uma ideia que ainda está indo para o papel é o projeto “Corpo, lente e arte”, onde o corpo vira “tela” e a arte é eternizada através das lentes fotográficas para futuras exposições. Além de unir duas vertentes (ilustração e fotografia) o projeto pode ser levado para festivais, ações voluntárias, trabalhos com crianças. Passando de projeto para vivência.

Enfim, ainda está sendo estudado e estruturado.

Anny Carline por Projeto Curadoria
COMPARTILHE
b
//+entrevistas