m
Ana
Lopes
Brasil
vivendo em Berlim . Alemanha
29 anos . designer . ilustradora

Comecei a desenhar desde pequena quando meu irmão, para me manter entretida enquanto ele jogava video game, me dava papel e um monte de lápis de cor pra desenhar. Aos 12 anos eu queria ser estilista e passava a maior parte do tempo desenhando vestidos de gala. Já no colegial, minha melhor amiga e eu matávamos aula pra ir pra casa do pai dela, artista plástico, passar o dia pintando quadros sobre nossa adolescência. Sempre quis estudar Artes Plásticas mas acabei me formando em Design Gráfico. Não contente com minha profissão, fui descobrindo aos poucos o mundo das estampas e em 2012 escapuli para Londres para estudar Design Têxtil na Chelsea College of Arts and Design. Hoje moro em Berlim e trabalho como freelancer, criando estampas, enfeitando editoriais com ilustrações, desenvolvendo meu trabalho como artista e me descobrindo como ser humano.

Ana Lopes por Projeto Curadoria
// Quais ferramentas você utiliza para se expressar?

Misturo muito o digital com o analógico. Desenho os elementos das estampas com aquarela, canetinha, lápis de cor, tinta acrílica ou, quando quero ir desenhar em algum café ou parque na cidade, levo meu IPad e desenho direto no digital. Gosto também de experimentar com outros tipos de materiais como por exemplo tinta para tinteiro e cândida. O efeito no papel fica lindo e as possibilidades são infinitas. Ultimamente tenho tentado trabalhar direto no modo digital pois assim evito criar muito lixo.

Ana Lopes por Projeto Curadoria
// Qual sua maior motivação para criar? O que te inspira?

A natureza me inspira muito. Tem um mercado de flores na frente de casa toda terça- feira e sempre compro flores e outras plantas pra desenhar, o que também acaba enfeitando meu local de trabalho. Também sonho muito, e tenho sonhos fantásticos, surreais, muito das minhas ilustrações vem desse mundo dos sonhos. As pessoas também são uma grande fonte de inspiração, adoro sentar e “assistir” o movimento das pessoas indo e vindo.

Ana Lopes por Projeto Curadoria
Ana Lopes por Projeto Curadoria
// Como é o seu processo criativo?

Para criar as estampas faço pesquisa de tendências, fico de olho nas passarelas e vitrines de lojas, fuço o Instagram, o Pinterest e tento entender qual será a melhor maneira de interpretar todas essas informações, qual o melhor material, se vai ser mais digital ou não. Tenho um certo problema com cores. No mundo digital é muito fácil mudar de ideia e trocar um azul por um verde. Já no analógico, a marca e a escolha de cor são permanentes. É preciso estar aberta aos desafios diários.

// O que você faz no seu dia a dia para se manter criativa?

Podcasts e audiobooks são meus melhores amigos. E claro, a música. Não consigo trabalhar no silêncio e preciso que minha mente continue imaginando constantemente. Adoro ouvir podcasts sobre ciência, imaginar o macro e o micro, as formas e as cores e estruturas das coisas que não vemos, como por exemplo o espaço sideral, o fundo do mar ou as células dentro da gente.

// Quais os seus trabalhos ou projetos preferidos? Qual o motivo?

Um dos meus trabalhos preferidos chama-se Disruption e são estampas abstratas. Foi uma época em que eu estava passando por um momento depressivo, me via em um mundo escuro, sem imaginação.Recebi um conselho de uma amiga que me disse para trabalhar em uma escala maior, sair do tamanho A4 ou sair um pouco da tela do computador. Usar meu corpo, me movimentar mais e com isso criar marcas com tinta. A experiência foi libertadora e como resultado obtive desenhos enormes, expressivos. Foi como sair daquela escuridão toda e finalmente reencontrar a luz. Até hoje, quando não me sinto bem, me jogo nesse método.

Ana Lopes por Projeto Curadoria
Ana Lopes por Projeto Curadoria
Ana Lopes por Projeto Curadoria
Ana Lopes por Projeto Curadoria
// Você teve algum marco importante na sua carreira ou um momento decisivo? Como isso influenciou sua trajetória?

Quando decidi começar como freelancer, trabalhando de casa e cuidando da minha própria rotina, o impacto foi bem grande. Aprender a ter disciplina, a fazer o meu próprio marketing, sair em busca de networking, tudo isso de início foi um susto e me vi perdida sem saber por onde começar. Hoje, depois de 1 ano, ainda tenho muito o que aprender mas já consigo ter uma agenda organizada e não tento mais fazer 5 coisas ao mesmo tempo. Entender os meus limites tem sido muito importante para minha carreira e para minha saúde física e mental.

// Quais são suas influências, inspirações ou artistas preferidos? Como isso se reflete no seu trabalho?

Pode ser uma resposta clichê mas a natureza é uma grande fonte de inspiração e influência. Mas eu não recorro a natureza de imediato, gosto de descobrir e estudar os diferentes pontos de vista de artistas como por exemplo William Morris (século 19) , Katie Scott e James Jean (hoje em dia). O modo como eles desenham as flores e plantas, o movimento das pétalas, as cores que escolhem para colorir os desenhos, adoro me perder nessa brincadeira. Ainda penso em começar um projeto sobre plantas fantásticas, ou como seriam as flores em Marte. Tento sempre trazer um bocado dessa imaginação pros meus trabalhos pessoais. Quando é algo comercial, não posso fugir muito do briefing, mas se houver um espacinho para uma pitada de surrealismo, por que não? Sigo muitos estúdios de estampa no Instagram, gosto de saber quais os materiais que mais usam, técnicas de pintura, etc.

Ana Lopes por Projeto Curadoria
Ana Lopes por Projeto Curadoria
// Ainda existe algum preconceito em relação a mulher se expressar livremente? Você sente isso no seu trabalho?

Infelizmente ainda existe. Por mais que eu trabalhe com moda e estamparia, o ditado popular “casa de ferreiro o espeto é de pau” me define muito bem. Sinto que algumas pessoas esperam que eu seja algo diferente daquilo que sou pra combinar melhor com a minha profissão. Já escutei também que por trabalhar de casa estou a poucos passos de me tornar mãe e dona de casa, uma vez que estou acostumada com o ambiente.

Ana Lopes por Projeto Curadoria
Ana Lopes por Projeto Curadoria
// E o que te faz feliz?

Além de uma xícara bem quentinha de café, me faz feliz o fato de eu ter a liberdade da escolha, de ser a dona de mim mesma. Me faz feliz aprender coisas novas, de passar tempo com os amigos falando de coisas bobas. Me faz feliz poder ser eu mesma e dançar engraçado na frente daqueles que amo. Me faz feliz acordar de manhã. E pra uns pode ser triste ou desanimador, mas um belo dia nublado me tira um sorriso de orelha a orelha.

Ana Lopes por Projeto Curadoria
Ana Lopes por Projeto Curadoria
// Quais dicas você daria para outras mulheres potencializarem suas criações?

Respira fundo e segue firme. Lembra sempre do sentimento que te faz criar, que te move. Aprenda com ele, se mova com ele. Esteja aberta pra ouvir, sentir, experimentar, mudar se necessário, se for uma mudança evolutiva. Não seja aquilo que você não ama e abrace seus defeitos com carinho. Se ame, até do avesso.

// Você tem algum novo projeto em andamento?

No momento estou estudando pirografia e como combinar ilustração e estamparia na madeira. É uma técnica que requer paciência mas vale muito a pena, o resultado é bem legal.

COMPARTILHE
b
//+entrevistas