m
Ana
Carranca
Brasil
vivendo em São Paulo . SP
29 anos . fotógrafa . estilista

Eu me considero uma pessoa apaixonada por coisas bonitas. Me formei em moda e depois resolvi estudar fotografia e morar um tempo fora do Brasil.

Trabalhei alguns anos como fotógrafa e recentemente tive o desejo de retomar minha história com a moda - fiz algumas peças de roupa com tecidos étnicos que sempre amei com modelagens que tinha vontade de usar. O experimento foi prazeroso e teve uma boa resposta, daí nasceu a Cru.

Ana Carranca por Projeto Curadoria
// Quais ferramentas você utiliza para se expressar?

Fotografia, moda e decoração.

// Qual sua maior motivação para criar? O que te inspira?

O meu ponto de partida na Cru são as estampas étnicas. Geralmente viajo e garimpo tecidos antigos, muitas vezes feitos manualmente.

O processo de estamparia e tingimento tem origem milenar, então a história da matéria prima e a minha imersão na cultura desses lugares tem uma carga enorme, que me inspira demais.

// Como é o seu processo criativo?

Ele geralmente acontece quando eu viajo e vou descobrindo lugares e referências interessantes de cor/silhueta e atmosfera que eu quero para a próxima coleção.

Uma parte muito legal de ter a Cru é a possiblidade que eu tive de realizar várias coisas que me dão prazer - fotografo a campanha, faço o styling, desenho as roupas, escrevo o release da marca, decido o cheiro da fragrância que vai nas roupas, enfim, é todo um universo que eu crio do começo ao fim.

Ana Carranca por Projeto Curadoria
Ana Carranca por Projeto Curadoria
// O que você faz no seu dia a dia para se manter criativa?

Acredito que não ser auto referente e procurar assuntos diferentes dos que você lida todos os dias tende a ajudar a mudar o foco e deixar a mente mais estimulada com assuntos novos.

// Quais os seus trabalhos ou projetos preferidos? Qual o motivo?

Fiz uma viagem a convite de uma empresa para viajar o Brasil de carro e fotografar pessoas que se destacavam na sua comunidade por serem criativas e por proporem soluções fora do lugar comum, que influenciassem as pessoas ao seu entorno.

Conheci e fotografei pessoas fantásticas de lugares e origens e com universos totalmente distintos.

// Você teve algum marco importante na sua carreira ou um momento decisivo? Como isso influenciou sua trajetória?

Acho que um momento importante foi a criação da Cru, que possibilitou eu expressar muitas das vontades que eu sempre tive e ter mais autonomia pra fazer algo com a minha identidade.

Ana Carranca por Projeto Curadoria
Ana Carranca por Projeto Curadoria
// Quais são suas influências, inspirações ou artistas preferidos? Como isso se reflete no seu trabalho?

Eu gosto de muitas coisas, mas pensando no que tem me inspirado pro meu trabalho são as fotos do Raghu Rai para a agência Magnum - um fotógrafo indiano retratando cenas cotidianas do seu país com um olhar muito interessante, fugindo de esteriótipos de exotismo.

A decoração sempre me influenciou demais, então tenho muitas referências de motivos indianos, pinturas na parede e estofados estampados. Essa estética exuberante tem tido um apelo estético muito grande pra mim.

Ana Carranca por Projeto Curadoria
Ana Carranca por Projeto Curadoria
// Ainda existe algum preconceito em relação a mulher se expressar livremente? Você sente isso no seu trabalho?

Sem dúvida existe. Como todos os meus fornecedores são indianos e homens, sinto que há uma grande diferença no tratamento. Já fui ignorada mais de uma vez e tive e-mails não respondidos. Isso tem sido uma dificuldade que tenho que lidar cotidianamente.

// E o que te faz feliz?

Descobrir lugares e existências novas.

// Você tem algum novo projeto em andamento?

Vou continuar procurando coisas que façam o olho brilhar e tentar transformá-las em algo palpável na marca.

Ana Carranca por Projeto Curadoria
COMPARTILHE
b
//+entrevistas